finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

ADR bate recorde de negócios em 2000

Um relatório do The Bank of New York Company mostra que os negócios com American Depositary Receipt (ADR) - recibos de depósito americano - atingiram recorde de US$ 1,2 trilhão em 2000. No relatório da instituição mereceram destaque as operações de fusões e aquisições envolvendo empresas brasileiras.O maior volume de negócios em Nova York é o contraponto da saída de R$ 2,22 bilhões de recursos externos da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) no ano passado. O volume de negócios com recibos de depósito na New York Stock Exchange (Nyse) e Nasdaq - mercado eletrônico que mede a valorização das ações de empresas de tecnologia e Internet - envolveu 29 bilhões de ações em 2000 com crescimento de 71% em relação ao ano anterior. Foram 182 novos programas de recibos de depósito nas bolsas americanas no ano passado, girando papéis de empresas de 38 países. O documento destaca a operação de troca de recibos da empresa espanhola Telefônica por papéis das companhias brasileiras Telecomunicações de São Paulo (Telesp), Tele Sudeste Celular Participações, Telefônica de Argentina e Telefônica do Peru. Em relação a ADRs de empresas latino-americanas, o relatório do The Bank of New York informa que foram 20 novos programas de recibos de depósito no ano passado com destaque para os papéis de empresas brasileiras, como a da companhia de alimentos Perdigão e a de bebidas Ambev. PetrobrásEm termos de aumento de capital, a Petrobrás foi um dos destaques, com captação de US$ 2,0 bilhões. Dados da Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid) mostram que a operação teve importante impacto também no mercado doméstico. Os fundos de privatização Petrobrás com a utilização de recursos do FGTS registraram saldo de R$ 2,24 bilhões ao final do ano passado, apurando uma lucratividade acumulada no ano de 41,12%. A lucratividade foi bastante expressiva considerando-se que a rentabilidade do mercado acionário como um todo foi negativa no ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.