Tomas Cuesta/AFP - 10/12/2021
Tomas Cuesta/AFP - 10/12/2021
Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Líder nas pesquisas, Lula tem dado poucas pistas de como será o seu programa econômico

Se iludem os que acham que, como ele está muito à frente nas pesquisas, vai ganhar as eleições sem fazer nenhuma sinalização econômica

Adriana Fernandes*, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2021 | 04h00

A possibilidade de o ex-governador Geraldo Alckmin ser o candidato a vice na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem feito muitos se perguntarem se essa eventual aliança política para as eleições de 2022 pode se estender ao campo econômico ou ficaria restrita aos acordos para a formação dos palanques regionais.

Líder nas pesquisas com uma distância grande do presidente Jair Bolsonaro, Lula tem dado poucas pistas de como será o seu programa econômico. Em 2003, ele montou uma equipe econômica que passou por cima de muitas das ideias defendidas pelos economistas mais influentes do partido. 

A estratégia agora do PT está sendo a de seguir com o debate interno (muito acalorado e disputado) em torno do programa e deixar para bem mais tarde posicionamentos sobre o que pretende fazer em 2023 na economia, caso confirme o atual favoritismo e ganhe as eleições.

“Na campanha paralela dos economistas, temos neoliberalismo selvagem de discurso: Guedes neoliberalismo progressista de planilha: Meirelles, Pastore, Arminio e Cia (C’est là même chose) novo desenvolvimentismo fiscalista: Marconi e Benevides e no PT o debate segue”, postou essa semana o ex-ministro da Fazenda do PT Nelson Barbosa, numa mensagem quase subliminar para dizer o seguinte: não é agora.

Por enquanto, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, diz que o partido não pretende divulgar plano econômico e que Lula é o seu próprio porta-voz na área com um histórico a mostrar.

O PT não tem ainda um programa, mas conta com um documento – o Plano de Reconstrução e Transformação do Brasil – que contém propostas, embora seja claro ao dizer de antemão que todas as sugestões podem ser revisitadas.

Durante a pandemia, o PT fez várias sugestões e apresentou uma PEC para aumentar os investimentos com um orçamento específico. Já dá para ter uma ideia que aumentar os investimentos públicos será prioridade para ativar o crescimento. O oposto do que tem feito a equipe de Bolsonaro com Paulo Guedes.

É compreensível que agora Lula não queira cair na armadilha dos que cobram uma fala sua para diminuir incertezas fiscais. Ele não é governo, e os problemas atuais são de responsabilidade de Bolsonaro.

Mas se iludem os que acham que, como ele está muito à frente nas pesquisas, vai ganhar as eleições sem fazer nenhuma sinalização econômica. Para quem quer ter uma ideia do que Lula pretende fazer, é melhor prestar atenção com quem ele não está conversando, mais do que com quem conversa.

*REPÓRTER DE ECONOMIA EM BRASÍLIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.