finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Advogado afirma que não houve dolo de diretores

O criminalista Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, que representa os executivos do BicBanco, já apresentou defesa à Justiça Federal. "A denúncia está baseada em relatório do Banco Central que concluiu pela responsabilidade administrativa dos dirigentes do BicBanco, mas que os puniu com a leve pena de multa numa demonstração da falta de gravidade da conduta atribuída a esses então diretores", argumenta.

O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2014 | 02h02

O advogado é taxativo. "No curso do processo, duas diretorias do banco foram renovadas e essa renovação foi homologada pelo BC. Essas diretorias foram compostas por aqueles diretores ora denunciados."

Mariz ressalta que "os diretores agiram sem dolo e cumpriram inúmeros itens do BC, a ponto de terem justificado todos os empréstimos e suas prorrogações". Ele destaca que o BC apontava provisão de R$ 611 milhões, mas concluiu por outro valor, R$ 400 milhões. "O BC concordou e autorizou que o BicBanco procedesse a esse provisionamento menor. Também é improcedente a alegada inserção de elementos falsos. Os dados foram apresentados com fidelidade. Assim não fosse, o BC obrigaria a republicação da demonstração contábil tida como inexata, o que não aconteceu." / F.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.