Advogado do Banco Santos nega intervenção do BC na Procid

O advogado de Edemar Cid Ferreira, Sérgio Bermudes, afirmou que a Procid Participações e Negócios, empresa não-financeira que controlava a instituição, não sofreu intervenção do Banco Central (BC), ao contrário do que está publicado no Sistema de Informações do próprio BC (Sisbacen). "O interventor, Vânio Aguiar, me informou que a atuação é no Banco Santos e na Santos Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários", destacou.Bermudes, que está na manhã desta sexta-feira em Vitória (ES), cuidando de casos de um outro cliente, disse que nada podia afirmar sobre o rombo financeiro do Banco Santos, que seria superior a R$ 1 bilhão, segundo divulgado pela imprensa. "Sobre esse assunto, nada posso declarar porque não tenho nenhum conhecimento", comentou. Ele também afirmou que não tinha informação sobre problemas de pagamento dos salários dos funcionários do Banco Santos e da Santos Corretora, que teriam sido provocados pela intervenção do Banco Central.O advogado voltará a São Paulo na próxima semana para retomar seus trabalhos junto a Edemar Cid Ferreira relacionados a esclarecimentos jurídicos da intervenção do BC no Banco Santos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.