coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Aécio critica governo Dilma por rebaixamento do País

Um dos principais concorrentes na corrida presidencial do Brasil deste ano atribuiu nesta terça-feira, 25, a culpa pelo rebaixamento do rating de crédito do País à presidente Dilma Rousseff e seu governo, dizendo que eles foram incapazes de manter políticas macroeconômicas confiáveis.

Agencia Estado

25 de março de 2014 | 18h17

"A decisão foi de certa fora esperada, tendo em vista tudo que aconteceu até agora", afirmou o senador Aécio Neves (PSDB). O provável candidato à presidência para as eleições de outubro foi entrevistado pelo Wall Street Journal no Congresso, em Brasília.

Aécio e Eduardo Campos (PSB) provavelmente vão concorrer com a atual presidente Dilma Roussef nas eleições, de acordo com pesquisas. Atualmente, ambos estão atrás de Dilma nas intenções de votos.

"Um crescimento econômico muito fraco, o retorno da inflação, a perda da credibilidade dos investidores no País e a falta de qualquer habilidade para avançar em reformas muito necessárias" levaram ao rebaixamento de ontem, afirmou Aécio ao WSJ. A agência de classificação de risco Standard & Poor''s rebaixou ontem o rating de crédito soberano do Brasil para BBB-, de BBB, com perspectiva estável.

Aécio também criticou o uso do que chamou de "manobras contábeis" pelo governo de Dilma para escorar as finanças do governo. Se eleito, Aécio prometeu manter um pulso firme sobre os gastos. O provável candidato disse que se concentraria em reduzir a inflação para mais perto do centro da meta, de 4,5%.

Durante o governo de Dilma, a taxa de desemprego no Brasil permaneceu em níveis historicamente baixos, em torno de 5,0%, e os salários subiram. No entanto, os preços aumentaram continuamente e a inflação anual está perto de 6,0%, enquanto o crescimento econômico geral tem sido fraco. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
S&Pbrasilrebaixamentoaécio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.