Aécio defende real mais desvalorizado e revisão do Mercosul

O tucano acrescentou que "hoje vivemos de populismo cambial" e que o governo faz "intervenções" nesse setor para conter a inflação

REUTERS

30 de julho de 2014 | 14h30

O candidato à Presidência pelo PSDB, senador Aécio Neves, disse nesta quarta-feira que é preciso rever o tratado do Mercosul e adotar um real mais desvalorizadoe, entre outras iniciativas para retomar a competitividade industrial.

"Um câmbio mais desvalorizado me parece pressuposto essencial para aqueles que buscam maior competitividade", disse Aécio, durante apresentação a empresários na Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O tucano acrescentou que "hoje vivemos de populismo cambial" e que o governo faz "intervenções" nesse setor para conter a inflação.

Aécio apontou também para a necessidade de uma mudança no funcionamento do Mercosul, que segundo ele trava os acordos comerciais do país.

"O Mercosul, a grande realidade é essa, vem nos amarrando. Quem sabe sua transformação de união aduaneira para área de livre comércio,... para facilitar acordo com outras regiões do mundo", argumentou.

Segundo ele, o Brasil vem perdendo terreno no comércio internacional e quando fechar acordos terá menos vantagens. Quando houver um acordo com a União Europeia, por exemplo, argumentou as cotas de produtos agrícolas já estarão ocupadas por outros países do mundo, reduzindo a o mercado para os produtores brasileiros.

O tucano também afirmou que os problemas econômicos do país não decorrem da crise financeira internacional, mas sim ao atual governo que levou o Brasil a um quadro de estagflação e "perda de credibilidade".

"Todos nós sabemos, todos nós acompanhamos as diferenças da crise internacional... em 2008 e 2009, mas os resultados pífios da economia brasileira são consequências de brasileiros e fruto das opções erradas que o governo fez nos últimos anos", afirmou o tucano,

"Nós viemos ao longo desses últimos anos aprendendo, infelizmente, a conviver com aquilo que poderíamos chamar de contabilidade criativa,... que minou aquilo que é fundamental para o crescimento da economia e dos investimentos... que é o instituto de credibilidade", criticou Aécio.

Para ele, que está em segundo lugar na corrida presidencial, o país investe pouco em infraestrutura e precisa dobrar a média atual de cerca de 2,5 por cento do PIB em investimentos nesse setor. Aécio não explicou, porém, como isso seria feito.

Mas o tucano detalhou como pretende retomar a competitividade da indústria e apontou seis mudanças que planeja fazer.

Além de um real mais desvalorizado e de mudanças no Mercosul, Aécio disse que é preciso investir em qualificação da educação; dar um choque de atração do capital para investimentos em infraestrutura; e uma taxa de juros mais baixa, que não pode ser adotada por voluntarismo e sim pela melhoria da confiança na economia.

Ele prometeu ainda simplificar o sistema tributário por meio da adoção de um IVA (Imposto de Valor Agregado).

Mais cedo, o candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, também apresentou suas propostas para o empresariado e disse que enviará ao Congresso um projeto de reforma tributária na primeira semana de governo e que defenderá a regulamentação da terceirização no mercado de trabalho.[nL2N0Q51U0]

À tarde, a presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição do PT, apresentará suas propostas no evento.

A CNI apresentou aos candidatos 42 estudos que, na avaliação do setor, podem melhorar a competitividade da indústria, se as medidas sugeridas forem adotadas. A indústria tem registrado queda no nível da atividade e perda de postos de trabalho.

(Reportagem de Jeferson Ribeiro e Maria Carolina Marcello)

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICAAECIOCNI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.