RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS
RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS

Aérea de baixo custo quer operar voos entre Brasil e Chile a partir de novembro

Sky Airline entrou com pedido de autorização para atuar no Brasil na semana passada; europeia Norwegian e argentinas Avian e Flybondi também se preparam para ingressar no mercado local

Letícia Fucuchima, O Estado de S.Paulo

05 Setembro 2018 | 18h43

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) recebeu, na semana passada, um pedido da empresa chilena de baixo custo Sky Airline para operar voos regulares entre Brasil e o Chile.

Conforme a agência reguladora, a Sky Airline já possui autorização de funcionamento jurídico desde 2013, mas não chegou a realizar voos regulares no País porque ainda não detém autorização operacional.

"Quando autorizada, a Sky Airline pretende começar a operar em novembro deste ano, com voos ligando o Brasil ao Chile", informa a Anac.

Empresas estrangeiras de baixo custo começaram a vir ao Brasil neste ano. A europeia Norwegian e a argentina Avian, subsidiaria da Avianca, já estão autorizadas juridicamente a operar no País. 

Além das duas empresas, a aérea Flybondi recebeu autorização do governo argentino para operar no Brasil e, após esse passo, deve entrar com o pedido de autorização jurídica e operacional na Anac. 

Norwegian

Em agosto, a Anac autorizou o funcionamento no Brasil da Norwegian Air UK Limited, empresa de aviação europeia que opera no mercado de baixo custo. 

A companhia pretende operar no País com serviços de transporte aéreo internacional regular de passageiro, de carga e de mala postal.

Terceira maior empresa de baixo custo

A Norwegian é a terceira maior companhia aérea de baixo custo da Europa, as chamadas low cost, atrás de Ryanair e Easyjet, e tem base em Gatwick, segundo maior aeroporto de Londres. 

Uma viagem de ida e volta entre Buenos Aires e Londres pela Norwegian pode sair por cerca de R$ 3 mil, enquanto, por outras áreas, as tarifas mais baratas ficam em torno de R$ 5 mil.

A empresa já opera na América do Norte, América Central, África e Ásia. Recentemente, abriu subsidiária na Argentina.

Passagens no Brasil são caras, diz empresa

A Norwegian afirma que preços mais baixos para ligar o Brasil aos aeroportos europeus permitirão um número maior de turistas. "Estamos satisfeitos que a permissão nos foi dada para voar entre o Brasil e o Reino Unido, por parte das autoridades brasileiras”, indicou a empresa em um comunicado. "O Brasil tem um grande potencial e acreditamos que os novos voos com preços baixos vão permitir que um número maior de pessoas possa voar, consequentemente incentivando o turismo e as economias locais". 

A empresa ainda deixou claro que considera a ligação aérea do Brasil com o Reino Unido cara e limitada. "As atuais conexões entre o Reino Unido e o Brasil são caracterizadas por preços altos e competição limitada", afirmou. 

De acordo com dados da empresa, sua capacidade no mercado mundial aumentou em quase 50% em comparação às taxas registradas em meados de 2017. Hoje, ela conta com mais de 60 rotas intercontinentais. 

A empresa foi a primeira a introduzir voos low cost entre os EUA e o Reino Unido, em 2014. Desde então, conta com onze rotas fora da Europa, entre elas as cidades americanas, Buenos Aires e Cingapura.

Eleita pela sexta vez consecutiva como melhor empresa low cost da Europa, ela afirma ter a frota mais jovem do mundo, com uma média de idade de seus aviões de apenas 3,7 anos. Dentro da Europa, é a única que oferece internet grátis. 

Nos últimos meses, a companhia tem sido cortejada por investidores e empresas, entre elas a Lufthansa. O motivo: sua rápida expansão e sua decisão de realizar voos transatlânticos.

Em seu site, a empresa oferece voo entre Londres e Chicago, apenas ida, por 183 euros, contra 188 para Nova Iorque ou menos de 200 euros para São Francisco, sempre a partir de Londres. A rota entre Cingapura e Londres tem preços de 230 euros, ida.

Falando à imprensa em julho, o CEO da companhia, Bjorn Kjos, admitiu que a fase de expansão de rotas havia terminado e que o foco passaria a ser a de reduzir custos. Mas os recordes continuam sendo registrados. Em julho, ela transportou 3,8 milhões de passageiros em apenas um mês. O aumento foi de 13% em comparação a julho de 2017. 93% de seus aviões estavam lotados.

A autorização dada nesta quarta-feira, 8, para que a empresa aérea Norwegian opere voos no Brasil é “um grande estímulo para o turismo e mais um passo na agenda de modernização da aviação civil brasileira”, disse ao Estado o secretário de Aviação Civil, Dario Lopes.

O aumento da competição, com o objetivo de baixar preços, é uma das linhas da política governamental para o setor. Segundo fontes da área técnica, a companhia consultou todos os operadores de aeroportos do Brasil.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.