Pablo Vera / AFP
Pablo Vera / AFP

Aéreas cancelam voos entre Brasil e Santiago devido a protestos no Chile

Latam cancelou 124 voos e reprogramou outros quatro, Sky Airline cancelou dois voos e Gol informou que alguns dos voos podem sofrer alterações nos horários de embarque e desembarque

Letícia Fucuchima, O Estado de S.Paulo

21 de outubro de 2019 | 14h38

As companhias aéreas estão cancelando voos com origem ou destino no aeroporto de Santiago, no Chile, diante da radicalização dos protestos que acontecem desde a semana passada no país. Devido aos toques de recolher na capital chilena, o grupo Latam Airlines cancelou 124 voos e reprogramou outros quatro. Segundo site da Latam, ontem, a empresa deixou de operar três voos entre Santiago e o Aeroporto de Galeão (RJ) e, nesta segunda, 21, não decolarão dois voos entre a capital chilena e o Aeroporto de Guarulhos (SP).

A chilena low cost Sky Airline, que estreou no Brasil no ano passado, cancelou dois voos entre o Rio e Santiago e, de acordo com seu site, dois voos entre a capital chilena e São Paulo tiveram alteração nos horários.

Já a Gol informou que, devido às greves chilenas, alguns de seus voos podem sofrer alterações nos horários de embarque e desembarque.

As aéreas afirmam que têm informado todos os passageiros sobre as mudanças nos voos e estão orientando-os a conferir os canais de comunicação oficiais, como site e redes sociais, que estão sendo atualizados continuamente.

Consumidor

O Chile tem sido palco de protestos desde o início da semana passada. As manifestações começaram por causa de um aumento na tarifa do metrô anunciado pelo governo de Sebastián Piñera, medida que acabou sendo revogada no sábado, 19, após a radicalização dos atos. Porém, o movimento persistiu mesmo após a alta tarifária ter sido cancelada, e novos confrontos marcaram a noite de domingo e a madrugada desta segunda-feira.

Diante dessa situação, o Procon-SP afirma que é direito do consumidor, se for de seu interesse, cancelar ou remarcar as passagens aéreas e pacotes de viagens com destino ao Chile, "sem multa ou qualquer ônus". "O turista brasileiro não pode ser prejudicado pela situação e deve ter o seu direito respeitado", diz o órgão, em nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.