Aéreas contestam Anac sobre alta nas tarifas

As empresas aéreas consideraram "maldosa" a metodologia utilizada pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) em estudo que mostra que as passagens aéreas subiram 36% em 2008. "A metodologia é maldosa, não reflete as operações e não coincide em nada com o padrão utilizado pelo setor no Brasil e no mundo", afirmou o presidente do Sindicato Nacional das Empresas Aéreas (Snea), José Márcio Mollo. Para o Snea, o aumento corrigido de tarifas em 2008 foi de 11,7%. No estudo divulgado na terça-feira, a Anac identificou que o yield médio (quanto o passageiro paga por quilômetro voado) foi de R$ 0,61 de janeiro a novembro - alta de 36,15% sobre 2007 e queda de 2% sobre 2002. Para o Snea, o yield de TAM e Gol de janeiro a setembro foi deR$ 0,258 - com alta de 11,7% ante 2007 e queda de 35,9% sobre 2002. O Snea contesta o fato de o estudo focar em 61 rotas de uma seleção feita em 2004. "São rotas ponto a ponto, quando 30% dos voos hoje são de conexão, que tentem a ter yields menores", diz Mollo. A diferença nos yields se explica pelo fato de a Anac ter considerado apenas tarifas oferecidas no varejo aos passageiros. Foram desconsideradas outras fontes de receita, como o mercado corporativo. O Snea critica o fato de a Anac ter corrigido os números pelo IPCA de dezembro, quando, acredita, deveria ter usado o IPCA médio do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.