Aéreas registram bom desempenho em janeiro

A companhias aéreas brasileiras tiveram este ano o melhor desempenho em janeiro, pelo menos dos últimos seis anos. O tráfego de passageiros cresceu quase 13% e a taxa média de ocupação dos aviões superou o patamar de 70% - taxa semelhante a de países de economia aquecida. Juntas, a Varig e a TAM, que estão sendo obrigadas a romper o acordo operacional, chegaram à participação de 75% do mercado, fatia bem superior aos 63% do mesmo mês em 2004.Segundo o Departamento de Aviação Civil (DAC), o aproveitamento médio do setor foi o melhor desde 1999, conforme os dados disponíveis ontem à noite. As maiores taxas de ocupação foram da Gol (77%), Varig (74%) e TAM (72%). Na média, o setor registrou um aproveitamento médio de 73%. Desde abril de 2003, o governo vem tentando "adequar a demanda à oferta", para evitar aproveitamento muito baixo das aeronaves e eventual concorrência predatória, com guerra tarifária.O vice-presidente de planejamento e comercial da Varig, Alberto Fajerman, contou que a companhia já chegou a voar com perto de 80% de ocupação, "nos bons tempos da alta temporada", e que taxas deste porte são comuns em mercados como o americano. "É a volta à realidade", comentou. A TAM informou que o mês foi aquecido, atípico, comparado a anos anteriores, e que a empresa já esperava forte avanço de market share (participação de mercado).Em janeiro, a TAM consolidou a liderança de mercado, com uma fatia de 44,4%, quase 11 pontos porcentuais acima da taxa de 33,5% registrada em janeiro do ano passado. Além de abocanhar o crescimento de mercado, a empresa levou fatias da concorrência, principalmente da Vasp, que parou de voar no mês passado. A Vasp não forneceu os dados para o DAC, mas em dezembro havia registrado fatia inferior a 1%. Já a participação da Varig foi de 29,59% para 30,54%.A fatia de mercado da Gol registrou leve recuo de janeiro de 2004 (23,85%) para o mês passado (23,25%). No começo deste ano, o tráfego da TAM cresceu 49,6%, do da Varig 16,5% e o da Gol, 10,1%. Dentre as companhias de menor porte (com participações de mercado abaixo de 0,35%) o crescimento da demanda ficou entre 63% e 76%, caso das empresas Puma Air, Total, Oceanair e Trip.No setor internacional, a demanda das empresas brasileiras cresceu 16,8%, acima da variação do tráfego doméstico no mês. A Gol, que iniciou operações regulares para o exterior em dezembro, somou 2% de participação. A Varig permanece na liderança do trafego internacional executado pelas empresas brasileiras, com 81,5%, seguida da TAM, com 16,5%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.