Aéreas tentam evitar greve e fazem nova proposta

Pilotos e comissários ameaçam parar a partir dessa quinta-feira. Empresas argumentam que não podem pagar reajuste significativo

Glauber Gonçalves, de Agência Estado,

13 de dezembro de 2012 | 15h02

RIO - O Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea) apresentou nessa quinta-feira, 13, uma nova proposta de reajuste salarial para os aeronautas, depois de os trabalhadores ameaçarem cruzar os braços esta tarde. A entidade representativa das companhias aéreas não revelou qual foi a proposta, mas de acordo com informação divulgada no site do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), o novo porcentual oferecido é de 6% a todos os trabalhadores.

Ontem, após reunião com as empresas, representantes da categoria, que inclui pilotos e comissários, disseram que os trabalhadores fariam uma paralisação se as aéreas não apresentassem uma nova proposta até as 13h de hoje. Neste momento, os profissionais estão reunidos em assembleias para decidir se mantêm ou não a decisão de greve.

Os trabalhadores pediam reajuste acima da inflação, mas as aéreas ofereceram inicialmente reajustes de 1,5% a 6%, este último porcentual apenas para os profissionais que ganham até R$ 852. Com custos em alta e resultados negativos, as companhias argumentam que não têm condições de dar aumentos expressivos aos trabalhadores este ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.