Aerolineas Argentinas anuncia acordo para sair de concordata

A Aerolineas Argentinas deve sair da concordata depois de ter chegado a um acordo com a maioria de seus credores sobre um plano de redução e pagamento das dívidas. Em comunicado enviado por e-mail à agência Dow Jones, a Aerolineas Argentina disse que encaminhou a um tribunal comercial na última sexta-feira a lista de credores que aceitaram uma redução de 60% da dívida em troca de receberem o montante restante em dois anos.A companhia disse que 324 credores, representando 76% da dívida da empresa, aceitaram o plano proposto pela Aerolineas. Pela lei argentina, a companhia precisa ter o apoio dos credores que detêm pelo menos dois terços da dívida. A companhia propôs pagar o restante da dívida em três quotas, sendo 10% depois de três meses, 35% em 12 meses e 55% ao fim dos dois anos. A dívida será paga em pesos, embora os 2,5 bilhões de pesos da dívida a companhia, quando a concordata foi solicitada, era tanto em pesos quanto em dólares.O anúncio, segundo analistas, marca uma reviravolta para a empresa que parecia destina ao colapso quando pediu concordata sob a pressão de dívidas, disputas trabalhistas e o cancelamento de rotas em junho de 2001, disseram analistas. A Aerolineas, que é controlada pelo consórcio espanhol privado Air Comet, também ganhou o apoio de 60% do número total de credores, bem acima dos 51% necessários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.