Aeronautas criticam recurso da União contra intervenção da Vasp

A presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Graziella Baggio, criticou hoje a decisão da Advocacia Geral da União (AGU) de recorrer da liminar da Justiça do Trabalho que determinou intervenção na Vasp e tornou indisponíveis os bens de seus proprietários, até que sejam quitadas as dívidas trabalhistas.A AGU vai contestar a decisão com base no fato de ter sido a União, por meio do Departamento de Aviação Civil (DAC), indicada para atuar como interventora da empresa. O DAC ainda não recebeu notificação judicial para iniciar a intervenção. A Vasp não comenta o caso."Ao tomar a decisão de recorrer, a União está defendendo os interesses do empresário Wagner Canhedo, dono da Vasp; é uma atitude inédita", critica Graziella. "O objetivo dessa liminar é impedir a dilapidação do patrimônio da companhia e permitir o pagamento das dívidas com os trabalhadores". A liminar atendeu ação apresentada pelo Ministério Público do Trabalho, pelo Sindicato Nacional dos Aeronautas e pelo Sindicato dos Aeroviários de São Paulo.Segundo Graziella, a Vasp, que parou de voar regularmente com passageiros em janeiro, tem uma dívida trabalhista de R$ 75 milhões em ações já em curso de empregados demitidos e de salários atrasados. A sindicalista informou que está ocorrendo hoje, em São Paulo, uma audiência entre representantes do Ministério Público, de advogados e trabalhadores envolvidos com a questão. De acordo com ela, serão eleitos representantes dos aeronautas (pilotos e comissários) e dos aeroviários (trabalhadores em terra) que acompanharão a intervenção da Vasp.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.