Aeroportos maiores terão oferta de PPP

Governo avalia se fará uma sociedade geral ou uma PPP para cada aeroporto comercial

LUIZ GUILHERME GERBELLI, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2013 | 02h04

O processo da Parceria Público-Privada (PPP) - ainda em estudo - deve incluir ao menos seis aeroportos comerciais que estão sob a gestão do Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo (Daesp). Na lista estão Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Bauru/Arealva, Marília, Araçatuba e Presidente Prudente.

O governo estadual ainda estuda se fará uma PPP por lote ou se fará um processo individual para cada aeroporto que possa a vir a entrar no processo. "No mínimo, serão seis aeroportos. Mas pode entrar algum outro que venha a ter aviação comercial dentro do planejamento das empresas do setor aéreo", afirmou Ricardo Volpi, superintende do Daesp.

A iniciativa das PPP é mais embrionária do que o processo de concessão. Mas, segundo o Daesp, a intenção é concluir todo o processo até o fim da gestão do governo Geraldo Alckmin (PSDB), no ano que vem.

No foco das PPPs estão os aeroportos com o maior número de movimentação de passageiros e, consequentemente, com maior força para atrais investidores. Não à toa a lista inicial tem os três aeroportos mais movimentados da rede estadual: Ribeirão Preto (537.187), São José do Rio Preto (360.483) e Presidente Prudente (120.183).

"Nesses aeroportos, com uma demanda consistente, a chance de haver interesse é maior", afirmou diretor-geral da Associação Brasileira de Aviação Geral (Abag), Ricardo Nogueira. "É como oferecer uma loja que não tem cliente. Qual seria o interesse em pegar um a loja sem clientes?", questionou Nogueira.

Histórico. O número de passageiros na rede da Daesp teve uma forte crescimento nos últimos anos, acompanhando a alta da movimentação nos aeroportos de todo o País. Em 2007, o embarque e desembarque nos aeroportos mantido pelo governo do Estado foi de 1,150 milhão de. No ano passado, a movimentação subiu para 2,832 milhões. "A iniciativa privada tem mais condições de acompanhar o dinamismo que é o setor de aviação", afirmou Volpi, do Daesp.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.