Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Pelo menos 10 aeroportos estão sem combustível em razão da greve dos caminhoneiros

Mais de 270 voos foram cancelados em uma semana, com prejuízo diário de mais de R$ 50 milhões, segundo associação do setor

Luciana Ribeiro Dyniewicz, Lígia Formenti, Leonardo Augusto e Fátima Laranjeira, especial para O Estado

27 Maio 2018 | 08h28
Atualizado 29 Maio 2018 | 08h43

No nono dia da greve  dos caminhoneiros, dez aeroportos administrados pela Infraero estão sem combustível. São eles: São José dos Campos (SP), Uberlândia (MG), Campina Grande (PB), Juazeiro do Norte (CE), Aracaju (SE), Foz do Iguaçu (PR), Paulo Afonso (BA), Palmas (TO), Cuiabá (MT) e Imperatriz (MA). Nesses terminais, os aviões só podem pousar se tiverem querosene para a próxima etapa da viagem.

Dos 286 voos programados para esta terça-feira, 29, nos aeroportos da estatal, 19 foram cancelados entre meia-noite e 8 horas.

+ AO VIVO: Acompanhe outras notícias sobre a greve

Brasília. O aeroporto de Brasília – que recebeu, no início da noite de domingo, 27, 550 mil litros de combustível, transportados por dez caminhões escoltados – registrou 10 cancelamentos e 13 atrasos na manhã desta segunda-feira, 28. Foram realizadas 155 operações entre pousos e decolagens.  Nesta segunda-feira, por volta das 13h, um caminhão-tanque com 60 mil litros de querosene de aviação chegou ao terminal. 

Segundo boletim divulgado pela Inframerica, até as 13h, foram registrados 98 pousos e 95 decolagens em Brasília. Normalmente, o terminal recebe 20 caminhões-tanques por dia.

++ No WhatsApp, caminhoneiros dizem que greve está longe do fim

Belo Horizonte. O Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins, na Região Metropolitana da capital, registra 13 voos cancelados. "Reforçamos que os passageiros entrem em contato com as companhias aéreas e consultem a situação dos voos antes do deslocamento até o aeroporto", diz a BH Airport, concessionária do terminal.

As companhias aéreas orientam os passageiros com viagem marcada para esta segunda-feira a conferir o status do voo em suas páginas na internet.

Clique aqui para verificar a quantidade de atrasos e cancelamentos na seção Situação dos Voos.

Prejuízo. As companhias Avianca, Azul, Gol e Latam, por meio da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), informam que, passada uma semana da paralisação dos caminhoneiros em todo o Brasil mais de 270 voos foram cancelados e outros alterados nos mais diversos aeroportos do País.

A situação, diz a Abear, reforça a necessidade de todos os passageiros procurarem se informar sobre sua situação específica antes de iniciar viagem. "Apesar de a maior parte da malha aérea permanecer em operação, os cancelamentos e mudanças de horários deverão continuar a acontecer, sem previsão de normalização, por causa da não reposição ou total ausência de combustível em aeroportos menores espalhados pelo País", destaca.

É estimado um prejuízo diário de mais de R$ 50 milhões, que envolve cancelamentos, pousos técnicos para reabastecimentos, no shows e atendimento a passageiros que deixaram de embarcar. Enquanto permanecer esta situação, os passageiros podem alterar seus voos - impactados pelo desabastecimento - para nova data ou horário, sem o pagamento de taxa de remarcação e das eventuais diferenças tarifárias, de acordo com as regras de cada companhia.

A Abear reforça que os passageiros que têm viagem programada para os próximos dias, inclusive durante o feriado, devem se informar sobre o status de voo junto às empresas antes de irem para o aeroporto.

Mais conteúdo sobre:
aviação aeroporto caminhoneiro greve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.