Aeroviários da Varig cruzam os braços em Congonhas

Os aeroviários (funcionário em terra) da Varig cruzaram os braços nesta sexta-feira por uma hora e meia no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, por conta do atraso no pagamento de salários. Segundo o presidente do sindicato da categoria, Uébio José da Silva, desde abril a folha de pagamento não é honrada. A manifestação ocorreu das 13h30 às 15 horas."Fora isso os trabalhadores estão indignados com a falta de explicações, mesmo após o leilão. Ficarão menos de 2 mil funcionários, mas eles não explicam qual será o critério para as demissões", explicou. A companhia aérea possui um total de 10 mil empregados.DemissõesHoje, o presidente da Varig, Marcelo Bottini, revelou que a direção da empresa já comunicou oficialmente aos funcionários sobre os cortes que serão promovidos por conta do plano de recuperação da companhia aérea. Segundo apurou a repórter Mônica Ciarelli, as demissões já começaram e serão anunciadas ao longo das próximas semanas pelas chefias de cada departamento. O executivo descartou a possibilidade de sair uma lista única com todos os funcionários que serão aproveitados pela nova Varig.Em comunicado divulgado hoje, a direção da empresa explica que os funcionários que não têm local fixo, como comissários e pilotos, serão informados por correspondência enviada às suas casas. O documento informa ainda que "as rescisões serão pagas na forma estabelecida pelo Plano de Recuperação Judicial aprovado por todos os credores". Entretanto, será dado prioridade à liberação do FGTS e a obtenção do Seguro Desemprego.A antiga Varig, que se chamará Nordeste e herdará todas as dívidas, vai operar apenas com um avião. A expectativa é de que ela fique com apenas 50 funcionários. Já a nova companhia, criada com a venda para a VarigLog, deve absorver cerca de 2 mil empregados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.