AES anuncia prejuízo líquido de US$ 129 mi no 2º trimestre

A norte-americana AES Corp, do setor de energia, informou que seu prejuízo líquido no segundo trimestre subiu para US$ 129 milhões, ou US$ 0,22 por ação, de US$ 155 milhões, ou US$ 0,22 por ação, em igual período do ano passado. No Brasil, a AES é acionista da Eletropaulo, Tietê, Uruguaiana e Cemig. O prejuízo no segundo trimestre deste ano inclui uma perda por operações descontinuadas de US$ 194 milhões, resultante sobretudo da decisão da empresa de classificar seu negócio na República da Geórgia como ativo à venda. Os resultados do ano passado incluem um prejuízo de US$ 141 milhões por operações descontinuadas e um ganho de US$ 127 milhões referente a ajuste contábil. A receita no trimestre subiu 7,6% para US$ 2,19 bilhões, de US$ 2,04 bilhões. A receita de contrato de geração, que inclui as unidades geradoras no mundo e responde por 34% da receita total, aumentou 16% para US$ 735 milhões. A contribuição mais significativa continuou vindo da América do Sul e do Norte, que responderam por 60% da receita, de 59% no mesmo período de 2002. A margem bruta neste segmento foi de US$ 285 milhões, um aumento de 10% sobre o segundo de 2002. O crescimento se deveu às unidades de Uruguaiana e Tietê, no Brasil, Los Mina, na República Dominicana, Kilroot, na Irlanda do Norte, e Ebute, na Nigéria. A AES gerou cerca de US$ 737 milhões em caixa líquido consolidado a partir das atividades operacionais no primeiro semestre do ano e informou que ainda espera atingir caixa líquido consolidado de US$ 1,5 bilhão no ano. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.