Afeganistão volta a defender negociações com o Taleban

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, convidou o mulá Mohammed Omar para participar de negociação

AE-AP, Agencia Estado

05 Outubro 2008 | 10h16

Isolada das iniciativas políticas e econômicas, a ação militar sozinha não será capaz de solucionar o conflito no Afeganistão, declarou hoje o ministro da Defesa do país, Mohammad Rahim Wardak, em meio a pressões por novas negociações com a milícia fundamentalista islâmica Taleban. "A guerra que estamos lutando agora não pode ser vencida somente por meio de uma solução militar", disse Wardak a jornalistas em Cabul. "Temos de lutar em diferentes frontes, no militar, no político e no econômico", defendeu. Na semana passada, o presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, convidou o mulá Mohammed Omar, líder foragido do Taleban, integrante da lista de "terroristas mais procurados" pelos Estados Unidos, para participar de negociações com o objetivo de encerrar uma insurgência de sete anos que paralisa a reconstrução do país. Karzai, que em setembro do ano passado sinalizou pela primeira vez em público a disposição de negociar com o mulá Omar, comentou que vem pedindo há dois anos à Arábia Saudita que ajude a atrair o Taleban para negociações de paz. Hoje, Wardak reiterou que o governo que negociar com o Taleban, mas com a condição de que os milicianos aceitem a constituição aprovada depois da queda do grupo, no fim de 2001. "Quem quer que queira chegar ao poder deve tentar pelos meios políticos e via eleições", defendeu.

Mais conteúdo sobre:
Afeganistão Taleban

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.