Agência do petróleo acusa a Petrobras de monopólio

O diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Sebastião do Rego Barros, defendeu nesta segunda-feira que a Petrobras seja objeto de avaliação permanente pela Secretaria de Direito Econômico (SDE), do Ministério da Justiça, e pela Secretaria de Acompanhamento Econômico (Seae), do Ministério da Fazenda. "O monopólio existe", justificou em entrevista à Agência Estado.Rego Barros disse que "houve êxito na desmonopolização no segmento de exploração de petróleo" e lembrou que já existem 38 empresas com blocos de exploração e produção no Brasil. "Mas não houve avanço, nesse sentido, na infra-estrutu ra de dutos e terminais, bem como não houve na área de refino". Para o diretor da ANP, a quebra do monopólio na área de refino "somente ocorrerá com novos investimentos". Ele acrescentou que uma política de preços artificialmente baixos dos combustíveis no País prejudica a importação, que poderia abrir uma frente de competição nesse mercado. O também embaixador Rego Barros frisou que a Lei do Petróleo, que abriu o mercado à iniciativa privada, "foi boa no upstream (áreas de exploração e produção de petróleo), mas não no downstream (refino, transporte e comercialização de derivados)".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.