Agência dos EUA dá consentimento discreto para exportação de óleo leve

A principal autoridade de exportações dos Estados Unidos tem dito a algumas petroleiras para considerar exportar um tipo levemente processado de petróleo bruto chamado de condensado sem permissão formal, segundo pessoas próxima às discussões.

REUTERS

30 Dezembro 2014 | 14h13

Em conversas que podem abrir caminho a mais exportações de petróleo de xisto dos EUA, o Escritório de Indústria e Segurança (BIS, na sigla em inglês) do Departamento de Comércio disse a empresas que buscaram detalhes sobre a situação jurídica do chamado "condensado processado" que uma auto-classificação, ou a exportação do produto sem autorização formal, pode ser o caminho a seguir, disseram as fontes à Reuters.

Uma autoridade familiarizada com a legislação disse que as conversas da agência não representam mudança na política de exportação de petróleo dos EUA, já que a autoclassificação é permitida e é prática comum para a maioria das exportações.

Ainda assim, a mensagem --mesmo sendo cuidadosamente destacada como uma sugestão informal-- marca o primeiro sinal de que o governo está ficando mais confortável em permitir que as empresas contornem a proibição de exportações de petróleo bruto que já dura quatro décadas.

Até o agora, a posição do governo sobre a auto-classificação do petróleo não era clara.

Em novembro, a BHP Billiton foi a primeira empresa a dizer que exportaria petróleo norte-americano ultra-leve levemente processado sem permissão explícita do governo. A empresa disse estar bem embasada juridicamente, porque seu produto é similar ao que a agência já autorizou outras companhias a exportarem neste ano.

(Por Valerie Volcovici)

Mais conteúdo sobre:
PETROLEOEUAEXPORTA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.