Agência eleva nota da Rússia; mercado espera vez do Brasil

A agência de classificação de risco norte-americana Moody´s Investors Service aumentou hoje a nota das dívidas externa a interna da Rússia. A agência atribuiu a decisão ao compromisso do governo em manter uma política fiscal rígida, à significativa melhora da dívida e à formação de um fundo de estabilização para enfrentar mudanças bruscas nos preços agrícolas. Também contribuiu a diminuição dos riscos políticos, associados à redução dos poderes das autoridades regionais.No relatório sobre o Brasil, elaborado terça-feira, a Moody´s disse que melhora da classificação depende, no médio prazo, do forte declínio da taxa de juro associada ao crescimento sustentável, do crescimento rápido das exportações, da consolidação fiscal sustentável e de uma redução do endividamento do setor público e do País. Com a elevação hoje da classificação da Rússia, o Brasil ficou cinco graus abaixo. Alguns analistas ouvidos pela agência Dow Jones disseram que a diferença entre os dois países é muito grande e há a esperança de que a nota do Brasil também seja aumentada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.