Agência Fitch melhora sua avaliação sobre Brasil

A agência de classificação de crédito Fitch divulgou um comunicado hoje, elevando a perpectiva para os ratings soberanos do Brasil de "estável" para "positiva". A agência atribui a decisão aos sinais de que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode ser bem-sucedido na construção de um consenso sobre suas diretrizes econômicas, o que colocaria a situação das finanças públicas e externas em um caminho sustentável. A agência confere o nível de classificação B tanto para os papéis do Brasil em moeda local como estrangeira. A agência Fitch considera que, desde que assumiu a administração, o presidente Lula tem se mostrado defensora do valor do crédito soberano. A agência considerou tranqüila uma das mais marcantes transições de poder na América Latina, referindo-se à mudança de uma administração de centro-direita para uma coalizão dominada pela esquerda. Entre as conquistas do novo governo, a agência cita as indicações de pessoas com credibilidade econômica, a adoção de políticas fiscais e monetárias de aperto, o comprometimento em impulsionar reformas estruturais importantes e o fato de haver uma coalizão com votos suficientes para garantir emendas na Constituição. "Dado que o presidente Lula adotou o programa de reformas de seus opositores, parece existir agora um grau mais elevado de consenso no País do que havia antes da eleição", pondera a Fitch.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.