Agência mantém classificação de grandes bancos do País

A agência de classificação de risco Fitch disse hoje que os seus elevados ratings para os quatro principais bancos comerciais brasileiros ? Bradesco (B/C), Itaú (B/C), Safra (B/C) e Unibanco (C) - ainda são justificados, apesar do "ambiente operacional difícil, volátil e em deterioração" no País. Segundo a agência, a piora da dinâmica da divida do País, pressionada pelas crescentes incertezas associadas à sucessão presidencial, são "inquestionáveis". Entretanto, a Fitch considera que os quatro bancos continuam a exibir "características excepcionais" que sustentam as suas classificações elevadas.A agência salientou que o processo de consolidação no setor bancário no Brasil trouxe mais benefícios do que riscos e que as perspectivas de manutenção de alta lucratividade entre os grandes bancos continuam favoráveis. Além disso, a qualidade dos ativos e as equipes administrativas experientes contribuem para essa análise positiva. Segundo a agência, os bancos brasileiros, já prevendo a volatilidade pré-eleitoral, promoveram ao longo do ano passado um esforço para encurtar o perfil de maturidade de suas carteiras de dívidas governamentais e aumentar sua exposição aos papéis do setor privado. "Nós certamente notamos essa tendência nos quatro bancos", disse a Fitch. "Entretanto, é obviamente impossível para todos os bancos ajustar toda dívida governamental com maturidade que vai além de outubro de 2002 e, com a passagem dos meses, isso se torna cada vez mais difícil." A Fitch ressaltou, no entanto, que a natureza de curto prazo dos portfólios de dívidas dos quatro bancos oferece "algum conforto". Em contrapartida, a Fitch observou que a situação no Banco do Brasil é oposta. "Enquanto o setor privado tem procurado concentrar a sua exposição ao governo no curto prazo, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal continuam a manter sua exposição aos papéis de longo prazo emitidos pelo setor público." A Fitch disse que, ao contrário da Argentina, a fuga de depósitos no Brasil não foi um problema registrado no passado. "Os bancos líderes do País geralmente se beneficiam em termos de volatilidade de mercado e experenciam um aumento nos influxos de depósitos". Ao comentar a dificuldade de acessar os mercados internacionais, a Fitch disse que muito poucos bancos comerciais brasileiros - "ou talvez nenhum" - são dependentes dos mercados de capitais internacionais como principal fonte de financiamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.