Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Agência Moody’s rebaixa nota de quatro bancos dos EUA

Bank Of New York Mellon, Goldman Sachs, JP Morgan Chase e Morgan Stanley tiveram os ratings cortados 

Agência Estado,

14 de novembro de 2013 | 20h12

SÃO PAULO - A agência de classificação de risco Moody's concluiu nesta quinta-feira a revisão de oito grandes grupos bancários dos Estados Unidos. Quatro tiveram a nota rebaixada: Bank Of New York Mellon, Goldman Sachs, JP Morgan Chase e Morgan Stanley.

O restante teve o rating mantido: Bank of America, Citigroup, State Street e Wells Fargo. Todas as instituições analisadas agora estão com a perspectiva estável.

Segundo a agência, as decisões refletem as novas regras estabelecidas pela Lei Dodd-Frank e consideram mudanças no perfil de crédito de algumas instituições. A lei aumentou o controle do governo sobre o mercado de capitais e endureceu a concessão de alguns tipos de crédito, como as hipotecas - que tiveram papel central na crise de 2008.

Os fundos de hedge, por exemplo, passaram a ser regulados pela SEC (a CVM dos EUA) e os derivativos foram separados por risco. Já as agências como a Moody´s - que em 2008 foram incapazes de diagnosticar a insolvência de grandes bancos dos EUA - agora estão sujeitas a medidas legais caso ajam de forma negligente.  

"Acreditamos que os reguladores bancários dos EUA fizeram um importante progresso ao estabelecer um quadro de referências com credibilidade para resolver a falência de um grande banco. Em vez de depender de recursos públicos para salvar uma instituição financeira, nossa expectativa é de que os credores entrem no processo e arquem com grande parte da carga para ajudar a recapitalizar o banco quebrado", disse Robert Young, diretor-gerente da Moody's.

As decisões desta quinta-feira foram as seguintes:

Bank of America - rating da dívida sênior não-garantida mantido em Baa2; rating da dívida subordinada mantido em Baa3; perspectiva estável; rating de curto prazo mantido em Prime-2;

Bank of America - rating de depósitos de longo prazo elevado a A2, de A3; rating da dívida subordinada mantido em Baa1; perspectiva estável; rating de curto prazo elevado a Prime-1, de Prime-2;

Bank of New York Mellon - rating da dívida sênior não-garantida rebaixado para A1, de Aa3; raitng da dívida subordinada rebaixado para A2, de A1; perspectiva estável; rating de curto prazo mantido em Prime-1;

Bank of New York Mellon - rating de depósitos de longo prazo rebaixado a Aa2, de Aa1; rating da dívida subordinada rebaixado para Aa3, de Aa2; perspectiva estável; rating de curto prazo mantido em Prime-1;

Citigroup - rating da dívida sênior não-garantida mantido em Baa2; rating da dívida subordinada mantido em Baa3; perspectiva estável; rating de curto prazo mantido em Prime-2;

Citibank - rating de depósitos de longo prazo elevado a A2, de A3; perspectiva estável; rating de curto prazo elevado a Prime-1, de Prime-2;

Goldman Sachs Group - rating da dívida sênior não-garantida rebaixado para Baa1, de A3; rating da dívida subordinada rebaixado para Baa2, de Baa1; perspectiva estável; rating de curto prazo mantido em Prime-2;

Goldman Sachs Bank USA - rating de depósitos de longo prazo mantido em A2; perspectiva estável; rating de curto prazo mantido em Prime-1;

JP Morgan Chase - rating de depósitos de longo prazo rebaixado a A3, de A2; rating da dívida subordinada rebaixado para Baa1, de A3; perspectiva estável; rating de curto prazo rebaixado a Prime-2, de Prime-1;

JP Morgan Chase Bank - rating de depósitos de longo prazo mantido em Aa3; perspectiva estável; rating de curto prazo rebaixado a A2, de A1; perspectiva estável; rating de curto prazo mantido em Prime-1;

Morgan Stanley - rating da dívida sênior não-garantida rebaixado para Baa2, de Baa1; rating da dívida subordinada rebaixado para Baa3, de Baa2; perspectiva estável; rating de curto prazo mantido em Prime-2;

Morgan Stanley Bank - rating de depósitos de longo prazo mantido em A3; perspectiva estável; rating de curto prazo mantido em Prime-2;

State Street - rating da dívida sênior não-garantida mantido em A1; rating da dívida subordinada mantido em A2; perspectiva estável; rating de curto prazo mantido em Prime-1;

State Street Bank and Trust - rating de depósitos de longo prazo rebaixado a Aa3, de Aa2; rating da dívida subordinada rebaixado para A1, de Aa3; perspectiva estável; rating de curto prazo mantido em Prime-1;

Wells Fargo & Company - rating da dívida sênior não-garantida mantido em A2; rating da dívida subordinada mantido em A3; perspectiva estável; rating de curto prazo mantido em Prime-1;

Wells Fargo Bank - rating de depósitos de longo prazo mantido em Aa3; rating da dívida subordinada mantido em A1; perspectiva estável; rating de curto prazo mantido em Prime-1.

Tudo o que sabemos sobre:
economia dos EUAbancos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.