bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Agência rebaixa dívida interna brasileira

A SR Rating rebaixou a nota de classificação de risco de crédito da dívida interna brasileira de BB+ para BB-. A classificação foi colocado em observação negativa desde 13 de maio deste ano. Segundo a companhia, a principal motivação para o rebaixamento foi a deterioração das condições de refinanciamento da dívida pública mobiliária federal, cujo perfil sofreu expressivo encurtamento ao longo da última semana a partir dos leilões de troca de títulos públicos mais longos, com vencimento entre 2004 e 2006 por papéis mais curtos, que vencem no primeiro trimestre de 2003.O atual nível da nota referente às obrigações em moeda local significa que o País ainda está numa classe de "risco mediano" e com "capacidade apenas moderada" de cumprir obrigações, porém situado no escalão inferior desta classe e sujeito a novo rebaixamento para a classe de "risco alto".A decisão do comitê da SR Rating reflete as novas condições, mais adversas, de refinanciamento da dívida pública mobiliária no primeiro trimestre do próximo governo."Ressaltamos que um forte e diligente processo de fortalecimento institucional da gestão da dívida pública e redução do déficit público nominal têm capacidade de acrescentar melhorias nas condições de rolagem dos títulos e da nota de classificação de risco", diz o documento.A SR Rating destaca que o rebaixamento da classificação da dívida interna brasileira tem um caráter preventivo e foi motivado pela deterioração do perfil da dívida mobiliária; mais curto e concentrado em um período politicamente delicado - início de novo mandato presidencial.Os vencimentos ao longo do primeiro trimestre de 2003 antes totalizavam R$ 14,9 bilhões. Após as três operações de troca de Letras Financeiras do Tesouro (LFTs) efetuadas na semana passada (com volume financeiro de R$ 20,6 bilhões) o volume vincendo no primeiro trimestre do novo governo será de cerca de R$ 30 bilhões.Além disso, os vencimentos programados para o restante do ano de 2002 (julho a dezembro) de títulos não-cambiais (indexados à Selic ou prefixados) passaram a representar cerca de R$ 70 bilhões, frente aos anteriores R$ 42 bilhões. Dívida externaA SR Rating manteve inalterado a classificação para dívida externa brasileira. A empresa destaca que a decisão foi tomada em função principalmente dos US$ 10,44 bilhões disponíveis para saque do Brasil até 13 de dezembro deste ano no FMI.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.