Agências bancárias são destruídas durante protesto em Porto Alegre

Agências bancárias são destruídas durante protesto em Porto Alegre

Pelo menos quatro agências bancárias  –  Santander, Banco do Brasil, Itaú e Bradesco -  foram depredadas por vândalos no bairro Cidade Baixa, região central da cidade

Luciano Nagel, enviado especial, O Estado de S.Paulo

03 Setembro 2016 | 12h04

PORTO ALEGRE - Centenas de pessoas, contrárias ao governo do presidente Michel Temer, saíram as ruas de Porto Alegre para protestar pela terceira noite consecutiva. Entre a noite de sexta-feira, 02, e madrugada deste sábado, 03, pelo menos quatro agências bancárias  –  Santander, Banco do Brasil, Itaú e Bradesco -  foram depredadas por vândalos no bairro Cidade Baixa, região central da cidade. Durante a ação, policiais da tropa de Choque lançaram bombas de efeito moral para dispersar o grupo , que revidou com pedras e garrafas. 

No protesto, diversos contêineres de lixo, do Departamento Municipal de Limpeza Urbana, foram derrubados e danificados. Alguns coletores de lixo foram incendiados por jovens mascarados, em meio a multidão. Na noite da última quinta-feira, 144 contêineres de coleta seletiva de lixo da prefeitura de Porto Alegre foram depredados por marginais durante manifestações sociais. O estrago causou um prejuízo de aproximadamente 50 mil reais aos cofres públicos, segundo a direção do Departamento Municipal de Limpeza Urbana da capital gaúcha (DMLU). 

A manifestação da noite dessa sexta-feira, 02, iniciou de forma pacífica.  A concentração ocorreu por volta das 18h30min na Esquina Democrática , no Centro Histórico de Porto Alegre. Em seguida o grupo saiu em caminhada, com faixas e cartazes pedindo a saída do presidente Temer. Várias ruas da região central e bairro Cidade Baixa foram bloqueadas pelos manifestantes. Na noite anterior, três pessoas foram presas por policiais militares por causar danos ao patrimônio público. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.