Agências reduzem preço de pacotes internacionais

As seguidas altas do dólar encareceram as viagens para o exterior e as agências de viagem tiveram de se mexer para evitar que as vendas recuassem. As principais agências de viagem estão renegociando os contratos com fornecedores no exterior e abrindo mão de parte do lucro para garantir a venda de seus pacotes internacionais. Além disso, as agências contam com a redução do preço das passagens aéreas internacionais.De acordo com o diretor de assuntos internacionais da Associação Brasileira de Agências de Viagem (Abav), Leonel Rossi, as companhias aéreas reduziram o valor das passagens para as agências de viagem, o que contribui para que os preços dos pacotes caiam naturalmente. "A passagem para Miami estava custando US$ 815 e passou para US$ 599 em praticamente todas as companhias aéreas", afirma.As agências de viagem pesquisadas pela Agência Estado - Fênix, Monark, Soletur e Stella Barros - reduziram o valor de seus pacotes internacionais ou evitaram que eles ficassem mais caros por causa da alta do dólar. Mesmo assim, todas as agências registraram queda nas vendas e maior procura por pacotes nacionais em relação à expectativa para a época do ano. De acordo com Vicente Truzzi, diretor geral da Fênix, a agência conseguiu reduzir em cerca de 13% o valor de alguns pacotes para a América Latina, negociando redução de preços com os fornecedores estrangeiros. Segundo ele, os principais descontos estão em pacotes quatro estrelas. Truzzi dá o exemplo de um pacote com destino a Buenos Aires, com duas noites em hotel quatro estrelas, café da manhã, traslados, city tour e passagem de ida e volta, que estava custando US$ 282 e passou a custar US$ 242 depois das negociações. Salvador Trepiccione Jr., gerente de vendas da Monark, afirma que a agência reduziu o valor de seus pacotes para todos os destinos dos EUA e principais capitais da América Latina e Europa em cerca de 20%, também através de negociações com fornecedores estrangeiros. Ele dá dois exemplos de pacotes que sofreram redução no preço. Um pacote para Miami e Orlando, com seis noites em hotel classe turística, direito a café da manhã, carro e passagem de ida e volta, custava US$ 917 e passou para US$ 714. Outro exemplo citado por Trepiccione é um pacote para Nova York, com cinco noites em hotel classe turística, traslados, city tour e passagem área de ida e volta, que custava US$ 1.226 e passou para US$ 960. "Essa redução deve-se também à redução do valor das passagens por parte da companhias aéreas.", diz.Algumas agências têm câmbio promocionalSegundo a gerente comercial da Soletur, Denise Ortiz, para tentar minimizar o impacto da alta do dólar em seus pacotes internacionais, a agência está utilizando o câmbio promocional de US$ 2,14 para todos os pacotes de viagem internacional. A gerente afirma que este valor não será elevado. "Nós só voltaremos a acompanhar o câmbio quando ele atingir o mesmo patamar do câmbio promocional", diz. Segundo ela, além do câmbio promocional, por conta de negociações com fornecedores, a agência conseguiu reduzir em cerca de 15% os preços em dólar de seus pacotes internacionais.A Stella Barros também está utilizando câmbio promocional para cotar os pacotes, mas apenas para as férias de julho deste ano. O valor utilizado é de US$ 2,19. A agência garante que manterá o câmbio promocional mesmo diante de novas altas da moeda norte-americana. Segundo Alexandre de Roussed, vice-presidente da Stella Barros, além do câmbio promocional para alguns pacotes, a agência também procurou seus fornecedores para negociar valores menores. No entanto, segundo ele, não houve redução no valor dos pacotes, mas o aumento dos preços em real, ocasionado pela alta do dólar, foi evitado. "Além da negociação, que nos permitiu a redução no valor dos pacotes, estamos abrindo mão de parte das margens de lucro para impedir o aumento dos pacotes". Clientes substituem pacote internacional por nacionalAs medidas tomadas pelas agências de viagem conseguiram minimizar o impacto da alta do dólar, mas não evitaram que as pessoas preferissem fazer viagens nacionais no período de instabilidade da moeda norte americana. Na baixa e média temporadas, período que vai de março a junho, espera-se uma procura menor por pacotes de viagem, tanto nacionais quanto internacionais. Mas as margens de vendas foram menores do que o esperado nessa época. Segundo o diretor da Fênix, as vendas de pacotes internacionais em abril ficaram 30% abaixo do projetado para o período. Já a compra de pacotes nacionais cresceu 10%. Na Monark, as vendas foram ainda menores do que o esperado. De acordo com o gerente de vendas da agência, a venda de pacotes internacionais registradas em abril foram 50% inferiores ao volume esperado. Em contrapartida, a procura por pacotes nacionais na Mornak foi maior, aumentando 20% no mesmo período.A queda no volume de vendas de pacotes internacionais da Soletur ficou em 25%, em abril, segundo a gerente comercial da empresa, e o volume de vendas de pacotes nacionais cresceu 15%, no mesmo período. A Stella Barros fechou o mês de abril com queda de 10% nas vendas dos pacotes internacionais em relação ao projetado para o período. Segundo o vice presidente da agência, a procura por pacotes nacionais cresceu 25%. Para Roussed, o que mais prejudica a venda de pacotes internacionais não é exatamente a alta do dólar, mas a instabilidade da moeda norte-americana, que impede que as pessoas planejem a viagem com antecedência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.