finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

AGENDA GLOBAL-Semana começa com Trichet e termina com Bernanke

Os discursos dos chefes do BancoCentral Europeu (BCE) e do Federal Reserve atrairão nestasemana as atenções dos investidores, que estão querendo sabercomo as autoridades agirão para acalmar os problemas de créditoglobal. A agenda de dados contém a confiança empresarial alemã, aconfiança do consumidor e o Produto Interno Bruto (PIB) dosEstados Unidos e a inflação da zona do euro e do Japão. Noentanto, todos estes dados podem ser ofuscados pelo andamentodos mercados. "Os dados macroeconômicos vão ficar em segundo plano",disse Rob Carnell, economista do ING. "O mais importante é oque o bancos centrais estão dizendo e o que estão fazendo." O chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, fala nasexta-feira. "O discurso do Bernanke é certamente o maior evento dasemana", afirmou Brian Hilliard, economista do SociétéGénérale. Os mercados futuros mostram que os investidores estãoconvencidos de que o Fed reduzirá os juros em sua reunião desetembro, ou talvez até mesmo antes. A única questão é dequanto será o corte. SINAIS DO BCE O presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, participa de umaconferência em Budapeste na segunda-feira e os investidoresquerem ter uma idéia mais clara das perspectivas de juros nazona do euro. O BCE disse na semana passada que reitera sua posturamostrada na reunião de 2 de agosto, o que foi visto por algunscomo um sinal de que o banco ainda pretende elevar os juros nomês que vem, apesar da turbulência dos mercados. Na sexta-feira, no entanto, autoridades de bancos centraisnacionais informaram que o comentário visava deixar as portasabertas para o BCE. "Essa será uma boa oportunidade para Trichet mostrar aomercado se ele deve ou não esperar uma alta de juros emsetembro", disse Carnell. "Reiterar a mensagem de ''forte vigilância'' poderia sugeriruma alta de juros, mas se ele disser que eles estão monitorandoa situação ou algo nessa linha, significa que elesprovavelmente esperarão." Na zona do euro, a Alemanha divulga o índice de confiançaempresarial Ifo na terça-feira. Analistas ouvidos pela Reutersesperam uma queda para 105,4 em agosto, ante 106,4 em julho. No mesmo dia, a confiança do consumidor dos EUA também nãodeve vir muito positiva. Um dado mais otimista deve ser umarevisão para cima do PIB do país, na quinta-feira, masrefletindo o período pré-crise: o segundo trimestre.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.