Imagem Coluna do Broadcast
Colunista
Coluna do Broadcast
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Agente autônomo detalha práticas de assédio da XP

Para aumentar a sua rede, XP financiava operação de fusão e aquisição de escritórios

Coluna do Broadcast, O Estado de S.Paulo

10 Fevereiro 2019 | 05h00

O Cordier, escritório de agente autônomo independente (AAI) nascido em Sorocaba, detalhou práticas de incentivo ao assédio de agentes autônomos utilizadas pela XP Investimentos. Segundo documento apresentado à Justiça, o agente autônomo do interior paulista argumenta que, para aumentar sua rede de agentes, a XP muitas vezes financiava as operações de aquisição e fusão de escritórios, por meio de contratos de mútuo em condições bastante atraentes. Dava, ainda, orientações sobre como calcular o valor de mercado de escritórios de AAI e o retorno do investimento na contratação desses assessores - incluindo na hipótese de pagamento de incentivo. Assim como o Cordier, o banco BTG Pactual e o escritório One também foram acionados pela XP na Justiça. 

Desafeto. O Cordier, que migrou da XP para o BTG, lembra ter sido alvo dessa prática. No ano passado, perdeu sete profissionais para o escritório Manhattan, também plugado à XP, de acordo com o documento entregue à Justiça. Procurada, a XP não comentou. 

Eficiência. O número de pedidos de financiamento para compra de placas fotovoltaicas, feitos por pequenas e médias empresas (PME) à agência de fomento estadual Desenvolve SP, aumentou quase oito vezes em 2018 em relação ao ano anterior. Enquanto em 2017 as PMEs haviam tomado R$ 464 mil de crédito, no ano passado esse montante subiu para R$ 3,4 milhões. As empresas do interior do Estado foram responsáveis por 95% dos empréstimos. Com as placas, as empresas buscam redução de custos, otimização de processos e menor dependência da energia elétrica.

Popular. A incorporadora RNI (antiga Rodobens Negócios Imobiliários) voltará a investir em empreendimentos econômicos nas capitais neste ano. A companhia já adquiriu terrenos em São Paulo e em Goiânia, onde pretende lançar imóveis enquadrados no Minha Casa Minha Vida (MCMV). Em 2018, a RNI retomou as atividades dentro do programa habitacional no interior de São Paulo, Bahia e Ceará. Agora, iniciará projetos nas capitais, com expectativa de maior liquidez. 

Expansão. O segmento do MCMV representou 55% do volume de unidades lançadas pela RNI no ano passado, com 1.164 imóveis. O banco de terrenos para incorporação residencial está atualmente em 20 cidades, em nove estados. O valor geral de vendas (VGV) total potencial dos terrenos é de R$ 3,9 bilhões, incluindo R$ 3,5 bilhões de áreas adquiridas e R$ 400 milhões de áreas com opção de compra.

Selo. A Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e nvestimento (Acrefi) assina na terça-feira, dia 12, acordo de cooperação com a Great Place to Work (GPTW), consultoria global que avalia a gestão organizacional. Na parceria, o GPTW será responsável pela aplicação de uma pesquisa e formulação de um ranking, que resultará em um selo Acrefi e GPTW de melhores práticas.

Afiados. Uma equipe de oito estudantes bolsistas brasileiros, de 16 a 18 anos, embarca para Boston, nos Estados Unidos, para competir no torneio de matemática de Harvard-MIT. Seis deles estão entre os 20 mais bem colocados nas seletivas brasileiras para a Olimpíada Internacional de Matemática. Quatro são bolsistas integrais em escolas particulares. Os outros ingressaram esse ano em universidades, também com bolsas. O BTG Pactual arcará com os custos da viagem.

Alta renda. O fundo multimercado da Legacy Capital, com rentabilidade de 850% do CDI em janeiro, começou a ser ofertado na plataforma do Itaú Unibanco, com foco na alta renda. Outros pesos pesados já o distribuem, como Credit Suisse, XP Investimentos, Modal e BTG Pactual. Com apenas sete meses, a Legacy Capital já bateu R$ 2,4 bilhões em recursos.

Assistência de luxo. A Allianz Partners, com foco em serviços de assistência 24 horas, selou parceria com a Porsche. A parceria no Brasil replica o modelo costurado entre as duas companhias em outros mercados emergentes, como China, Hong Kong, Coreia do Sul e outros países da região Ásia-Pacífico.

Casa Nova. O Grupo Marsh & McLennan Companies tem nova casa no Brasil. Antes separadas, as companhias do grupo estão, a partir deste mês, consolidadas em um único espaço no edifício EZ Towers, na Chácara Santo Antônio, zona sul de São Paulo.

Mais conteúdo sobre:
XP InvestimentosBtg Pactual

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.