Agentes federais detonam bolsa suspeita em encontro do BID

Agentes da Polícia Federal (PF) detonaram no início da tarde deste domingo, 2, uma bolsa suspeita de conter algum tipo de explosivo, no Expominas, em Belo Horizonte, onde acontece programação que antecede a Assembléia Geral de Governadores do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). A bolsa de couro, distribuída aos participantes do evento, foi encontrada por volta de meio-dia, no chão, na entrada de um dos banheiros femininos do centro de convenções. Depois de 40 minutos sem que ninguém reclamasse, o pessoal da limpeza comunicou os agentes federais. De acordo com o delegado da PF, Alexandre Silveira de Oliveira, que coordena o centro de órgãos de segurança do encontro do BID, os peritos chegaram a examinar o conteúdo da bolsa por equipamentos de raio-x, sem sucesso. Uma área próxima ao banheiro e também uma das salas de conferência foram isoladas. Os puxaram a bolsa por uma corda e levaram até o gramado na parte de fora do Expominas, onde ela foi detonada. Os vestígios foram examinados pelos agentes. Esta é a quarta suspeita de bomba que foi verificada pelos 20 peritos criminais da PF, desde que foi iniciada a programação do evento, na última quarta-feira. O primeiro caso ocorreu no Hotel Ouro Minas, que sediou alguns eventos paralelos da reunião, na quarta-feira. Os peritos fizeram uma varredura no local e não encontraram nada. Na sexta-feira, também foi encontrada uma bolsa de couro em um dos banheiros masculinos do Expominas, que depois foi reclamada por um dos tradutores que trabalham no evento. Também na sexta-feira, a PF recebeu uma denúncia anônima, que partiu de um telefone público, na qual a pessoa informou ter instalado cinco artefatos explosivos no centro de convenções. Os policiais chegaram a fazer uma varredura do local e também não encontraram nenhuma bomba. Este texto foi atualizado às 17h24.

Agencia Estado,

02 Abril 2006 | 14h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.