Ágio elevado pode ter comprometido concessão

Leilões de 2012 tiveram ágios que chegaram a 673%

Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2016 | 20h00

Dentro do governo, o problema dos aeroportos é dividido em duas situações distintas. Uma é considerada conjuntural, decorrente da recessão econômica que derrubou a movimentação de passageiros e, consequentemente, enfraqueceu o caixa das empresas. A outra é avaliada como um erro de negócio, cuja receita não é suficiente para pagar a outorga (valor pago ao governo pela concessão pública).

Os leilões feitos em 2012 tiveram ágios que chegaram a 673%, caso do Aeroporto de Brasília. No ano seguinte, o Galeão foi arrematado numa oferta quase 300% superior ao valor inicial. “O resultado foi positivo num primeiro momento, mas talvez não tenha sido bem dimensionado seja pelo poder concedente como pelas empresas”, afirma o advogado Paulo Dantas, da Demarest Advogados.

Hoje, o governo questiona os ágios elevados dados na época. Tanto que está elaborando uma medida provisória que dê mais segurança jurídica numa negociação de rescisão contratual amigável. Nos bastidores, a informação é que um dos alvos dessa MP seria o Aeroporto do Galeão, administrado por um grupo formado por Odebrecht e a operadora Changi, de Cingapura. “Não tem como um negócio ficar de pé se a receita é menor que a obrigação de outorga”, afirma uma fonte do governo. O objetivo seria relicitar a concessão.

Além do problema da demanda fraca, a concessionária que administra o Galão ainda não conseguiu o empréstimo de longo prazo por causa do envolvimento da Odebrecht na Lava Jato. Em 2014, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) liberou um empréstimo-ponte de R$ 1,1 bilhão para tocar as obras obrigatórias, em especial para os Jogos Olímpicos. Esse crédito, que venceria em junho, foi prorrogado para abril de 2017.

Nos próximos dias, o presidente da Changi chega ao Brasil para uma série de reuniões com o governo federal. Uma rescisão contratual não está descartada. Para isso, no entanto, será preciso definir como seria a indenização a qual o grupo tem direito pelos investimentos já concluídos.

“Um processo de caducidade ou de devolução das concessões não é uma coisa simples e pode ser traumático. É preciso ter cuidado”, afirma Dantas. Um processo mal conduzido poderia comprometer até as concessões que estão por vir.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.