''Agora, o câmbio vai derreter''

Para o economista, caminho arriscado escolhido pelo Banco Central será um perigoso golpe nas exportações

Irany Tereza, O Estadao de S.Paulo

17 de abril de 2008 | 00h00

O professor de Economia da Unicamp Luiz Gonzaga Belluzzo, chefe da Secretaria Especial de Assuntos Econômicos do Ministério da Fazenda no governo Sarney e um dos interlocutores do presidente Lula, acredita que o Banco Central (BC) escolheu um caminho arriscado para conter a inflação. "Amanhã (hoje) o câmbio vai derreter", sentencia o economista, que considerou que o aumento, já esperado, foi desproporcional. A aposta do governo, segundo avalia, foi a de elevar mais agora para retornar mais depressa aos cortes. A medida, porém, será um perigoso golpe nas exportações. "Eles (BC) preferiram preservar os seus anéis e arrancar os dedos dos outros."Qual a sua avaliação sobre a alta de 0,5 ponto porcentual na Selic? Era uma coisa esperada. Amanhã (hoje), o câmbio vai derreter, mas uma parte do mercado estava esperando um aumento nesse nível. Eles (BC) seguiram a regra de subir mais intensamente agora para poder baixar mais depressa. E que efeitos colaterais isso pode causar?Primeiro, sobre a dívida pública. Segundo, estamos num período em que os investimentos estão subindo e muita empresa vai reduzir um pouco o ritmo. Há sempre o inconveniente da expectativa. Sobre o consumo, tenho dúvidas, porque, como já disse um banqueiro, "a gente ajusta pelo prazo". Acho que o problema da política monetária é que se tem uma avaliação de que a inflação não se afaste do centro da meta. Se esse aumento tivesse ocorrido a partir de uma taxa calibrada, em torno de 8,5% ou 9%, faria sentido, teria sido razoável. O problema é que (a Selic) já está fora do lugar.E qual é a pior conseqüência?O pior será o efeito sobre o câmbio. Contraditoriamente, se o câmbio se valorizar muito, vai ajudar a inflação. Mas vai deixar em muita dificuldade as exportações industriais e acelerar ainda mais as importações. É claro que os efeitos não são únicos. Se a desaceleração mundial for muito forte, vamos ficar numa situação complicada, com queda nas exportações em grande velocidade e também das importações. Essa decisão do BC é uma aposta para abafar a inflação e depois voltar (a reduzir os juros). Tomara que tenham razão.O que o BC está indicando para o futuro, na sua opinião?Estão revelando, ao aumentar agora na proporção menos votada, que querem reafirmar a credibilidade e mostrar que vão combater qualquer ameaça da inflação de escapar do centro da meta. Estão dizendo que agirão prontamente. Os próximos passos vão depender do comportamento das variáveis-chave nos próximos meses. Em 2004, o resultado não foi bom. A expectativa de inflação não se materializou e o efeito sobre o PIB foi ruim. Talvez fosse mais prudente esperar um pouco. Mas eles (BC) preferiram preservar os seus anéis e arrancar os dedos dos outros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.