Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Agora, o cliente pensa no tempo

Fatores como o aumento do trânsito nas grandes cidades e a diminuição do tamanho das famílias favoreceram as lojas de menor porte

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2011 | 00h00

A animadora cultural Flávia Bolaffi, de 43 anos, casada e com dois filhos, trocou as cansativas idas ao hipermercado pela comodidade de comprar no supermercado perto de casa. "No hipermercado eu me cansava demais e gastava demais também", disse ela, fazendo menção à oferta de outros itens, como brinquedos e roupas, que acabava comprando sem ter necessidade.

Também o representante comercial Douglas Salzman, de 36 anos e judeu ortodoxo, procura fazer compras com foco certo. Na sexta-feira passada, ele foi a um supermercado em busca de um produto específico: bebida de soja kosher. "Vim a este supermercado porque já morei aqui perto e sabia que esta loja vende produtos kosher", disse.

Já o bancário aposentado João Batista Fortuna, de 63 anos, mantém um comportamento típico de períodos de hiperinflação. Três vezes por semana percorre vários supermercados em busca de preço baixo. E diz que há muita diferença de preço de um mesmo produto entre as lojas. "Gasto R$ 1 mil por mês no supermercado, se não pesquisasse, desembolsaria R$ 1,3 mil."

A perda de importância dos hipermercados no varejo reflete as mudanças sociais que ocorreram no País nos últimos anos. "A cesta básica já não é mais o padrão de consumo", diz o presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Sussumu Honda.

Com o aumento da renda, ele observa que as compras do dia a dia vão além do arroz e feijão e incluem produtos diferenciados, oferecidos por lojas menores de supermercados. Honda acrescenta que houve outras transformações: o tamanho das famílias diminuiu e o trânsito aumentou. "Antes, as lojas tinham um raio de ação de 10 km, hoje é de 1,5 km."

Essas mudanças têm reflexos diretos nos hábitos de compras que favorecem as lojas de supermercados em detrimento das de hipermercados. Hugues Godfroy, diretor comercial da Sara Lee Cafés, diz que 45% dos brasileiros hoje fazem compras de supermercado a pé ou de ônibus, o que torna mais viável ir a lojas menores.

Criado na França pelo Carrefour em 1963, o modelo de hipermercado já perdeu fatias de mercado em outras partes do mundo, afetado pela internet e pelas lojas de vizinhança, especialmente na Europa. "Não dá para dizer que o hipermercado vai acabar", diz Godfroy. Mas ele ressalta que a tendência é de que ocorram mudanças nesse formato de loja.

Honda, da Abras, observa que essa mudanças já vêm acontecendo, como a redução do tamanho das lojas e do números de caixas aberto ao público. Além disso, grandes redes, como Walmart e Extra, começam a aproveitar áreas antes destinadas a estacionamento para implantar lojas de atacarejo, misto de atacado com varejo, como Maxxi e Assaí, respectivamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.