Agricultores culpam o Senado pelo atraso no plantio da safra

O presidente da Associação Brasileira de Agribusiness (Abag), Carlo Lovatelli, cobrou hoje mais agilidade do Senado na liberação de pelo menos três projetos de lei que estão atrapalhando o desenvolvimento do agronegócio. Segundo ele, que falou um pouco antes da abertura do 3º Congresso Brasileiro de Agribusiness, em São Paulo, "os projetos de Parcerias Público Privado (PPP) e de biossegurança estão encalhados no Senado". "Essa demora em definir marcos legais já está atrapalhando o plantio da próxima safra de grãos 2004/05, em fase de preparo".Para o diretor-executivo da Associação Nacional de Defesa Vegetal (Andef), e vice-presidente da Abag, Christiano Walter Simon, "os produtores não estão sabendo nem mesmo que tipo de semente vão poder comprar". Outro projeto emperrado no senado é do PIS/Cofins, que muda a taxação sobre o agronegócio. "A indefinição atrasa as vendas de insumos", disse Simon. SojaO presidente da Abag informou que as associações de produtores e indústrias de óleos vegetais do Brasil, Estados Unidos e Argentina vão divulgar um documento sobre a questão da exportação de soja para a China. O documento pedirá que a China defina parâmetros para suas compras de soja. Lovatelli disse que já existe um padrão internacional "que é aceito no mundo todo e não há motivos para a China não aceitar". Ele afirmou que o documento "vai mostrar o espanto do mundo em relação às mudanças de regras no comércio de soja feita pelos chineses, demonstrando a não concordância do setor privado com a atitude dos chineses", afirmou.Lovatelli, também presidente da Associação Brasileira da Indústria de Óleos Vegetais (Abiove), disse que os embarques de soja para China ainda não voltaram a ocorrer porque o governo chinês aguarda as especificações sobre o acordo feito com o Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.