Leonardo Soares/Estadão
Leonardo Soares/Estadão

Agricultura confirma dois casos de vaca louca e suspende exportação de carne bovina à China

Ministério da Agricultura afirma que os dois casos investigados são atípicos

Célia Froufe e Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

04 de setembro de 2021 | 13h28

O Ministério da Agricultura confirmou nesta sábado, 4, a existência de dois casos atípicos do “mal da vaca louca”, como é conhecida Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), em frigoríficos de Nova Canaã do Norte, no Mato Grosso, e de Belo Horizonte, em Minas Gerais. Além das notificações protocolares, o governo decidiu pela suspensão das exportações de carne bovina a partir deste sábado para a China, seguindo o compromisso do protocolo sanitário firmado entre os dois países.

De acordo com a Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), estes são o quarto e quinto casos de EEB atípica registrados em 23 anos de vigilância para a doença – o Brasil nunca registrou a ocorrência de caso de EEB clássica. A EEB atípica, segundo o Mapa, ocorre de maneira espontânea e esporádica, e não está relacionada à ingestão de alimentos contaminados. Nestes casos, é verificada a mutação em um único animal. Já os clássicos, que está relacionado à contaminação por alimentação, há a possibilidade de afetar uma maior quantidade de animais do rebanho.

“Todas as ações sanitárias de mitigação de risco foram concluídas antes mesmo da emissão do resultado final pelo laboratório de referência da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em Alberta, no Canadá. Portanto, não há risco para a saúde humana e animal”, diz a pasta em nota. Os casos foram detectados durante a inspeção “ante-mortem”, procedimento usado para vacas de descarte que apresentavam idade avançada e que estavam em decúbito nos currais.

O ministério afirmou que obteve a confirmação ontem e que o Brasil notificou oficialmente à Organização Mundial de Saúde Animal, seguindo a determinação das normas internacionais. A suspensão das vendas para a China seguirá até que as autoridades do país asiático concluam a avaliação das informações repassadas sobre os casos. Há dois anos, quando o Brasil também registrou um caso atípico do mal da vaca louca, as exportações para China ficaram suspensas por quase 15 dias.

“O Mapa esclarece que a OIE exclui a ocorrência de casos de EEB atípica para efeitos do reconhecimento do status oficial de risco do país”, trouxe a nota do ministério. Desta forma, conforme o governo, o Brasil mantém sua classificação como país de risco insignificante para a doença, não justificando qualquer impacto no comércio de animais e seus produtos e subprodutos.

Não é generalizado

Segundo Pedro de Camargo Neto, pecuarista, consultor em agronegócio  e ex-presidente da Sociedade Rural Brasileira,  a suspensão tende a ser algo momentânea, visto que os casos são atípicos, ou seja, não existe nada generalizado. O especialista aponta que a decisão do Ministério da Agricultura em suspender a exportação é uma forma de se antecipar ao problema. Problemas semelhantes já ocorreram no passado, inclusive em outros países, frisa.

Agora, o foco será a realização  de exames para se provar que os casos são de fato atípicos, e, com a documentação em mãos, abre-se novamente as exportações. A vantagem com essa medida, segundo Camargo Neto, é que o Brasil passa a ter maior controle da situação, evitando, dessa forma, que a suspensão venha da China.

Tudo o que sabemos sobre:
Ministério da Agriculturacarne

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.