Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Imagem Coluna do Broadcast Agro
Colunista
Coluna do Broadcast Agro
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Agricultura digital vai crescer após pandemia

Constatação é da consultoria global de gestão e estratégia Boston Consulting Group, que ouviu produtores de alguns países e revelou que brasileiros estão tão interessados em agricultura digital quanto os Estados Unidos

Isadora Duarde, Clarice Couto, Letícia Pakulski e Tânia Rabelo, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2020 | 06h37

O isolamento social em tempos de pandemia despertou no setor agropecuário a necessidade de adotar tecnologias que reduzam a dependência de mão de obra em algumas atividades e que aproximem produtor e consumidor. A constatação é da consultoria global de gestão e estratégia Boston Consulting Group, que ouviu produtores de alguns países e revelou que os brasileiros estão tão interessados em agricultura digital quanto seu principal concorrente, os Estados Unidos. Assim, 45% dos agricultores brasileiros entrevistados disseram que planejam investir mais em automação depois que a pandemia passar, ante 50% nos EUA e Canadá e 27% na Alemanha. “Os brasileiros estão dispostos a empreender mesmo com o prolongamento da crise econômica da covid-19 porque não contam com subsídios elevados como os seus pares e buscam sempre ampliar as margens apertadas de rentabilidade”, diz Fleuri Arruda, diretor do BCG. 

Aprendizado

As incertezas com a pandemia fizeram o setor “despertar” para a agricultura digital, dizem os produtores. Segundo Arruda, além de diminuir a dependência de mão de obra, ferramentas digitais podem ajudar a entender mudanças em padrões de consumo. “A pandemia trouxe à tona esses problemas.” Para ele, tecnologias ligadas à gestão e que não exigem conectividade em tempo real devem ser as mais procuradas. 

Em escala

O estudo da Boston mostra, ainda, que 36% dos entrevistados brasileiros investem regularmente em digitalização. A maior parte está no Centro-Oeste e no oeste da Bahia. Produtores de pequeno e médio portes tendem a ganhar representatividade nesse processo, acredita Arruda, embora em menor intensidade. Entre as culturas, soja, algodão e cana-de-açúcar devem receber o maior volume de investimento em automação.

Online

A JBS vai conectar nas granjas sensores a softwares para ampliar e automatizar o monitoramento da produção de aves e suínos. O projeto “Granja 4.0” será aplicado no primeiro ano em cem granjas da região de Seara (SC). Em três anos, a meta é ter habilitadas 70% das 10 mil unidades que atendem à JBS, conta José Antônio Ribas Jr., diretor de Agropecuária. Fora dispositivos tradicionais, de medição de consumo de água e temperatura, estão sendo desenvolvidos outros, como câmeras 3D para monitorar o comportamento dos animais. A partir daí, algoritmos de inteligência artificial recomendarão mais ações para produtividade e conforto animal. 

Big Brother

Nessa iniciativa, a JBS conta com a F&S Consulting, que desenvolve sensores, tecnologias de inteligência artificial e softwares, e com a TIM, que garantirá a conectividade das granjas com o exterior. Em cerca de 40% das propriedades do piloto, a Tim terá de instalar novas torres com 4G. “Meu sonho é ter granjas com câmeras 24 horas por dia ligadas, para que as pessoas vejam que nosso processo é limpo, transparente e de respeito ao animal”, diz Ribas.

O olho do dono...

A Bloxs Investimentos lançou na semana passada sua primeira oferta pública de investimento coletivo e online para interessados em aplicar na pecuária de corte. O sistema funciona por meio de “crowdfunding”, arrecadação coletiva para financiar, neste caso, a compra e o confinamento de bovinos. Os recursos vão bancar o alojamento em fazendas de São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, diz Felipe Souto, CEO da Bloxs, corretora regulada na Comissão de Valores Mobiliários e que atua nos termos da ICVM 588, que normatiza essa ferramenta. 

...engorda o boi

A ideia de financiar coletivamente o confinamento de bois partiu de Carlos Pimenta, pecuarista e sócio-fundador da Edafo Pec, parceira da Bloxs na iniciativa. “Percebi que o mercado não tinha nenhum produto que permitisse que investidores da cidade participassem da rentabilidade da pecuária”, conta. Até quinta-feira, o Boi Pec Invest I (nome da carteira) havia captado R$ 475 mil, de 49 investidores, ou 45,24% do necessário para fechar os lotes. O investimento mínimo é de R$ 5 mil e a rentabilidade varia de 0,7% a 1,3% ao mês, a depender do valor da arroba e do aplicado, com prazo de resgate de um ano.

Procura

A Câmara de Comércio Árabe-Brasileira recebeu pedidos de ajuda de Egito, Marrocos, Arábia Saudita, Emirados Árabes, Bahrein e Kuwait para localizar fornecedores de alimentos no Brasil, principalmente carne bovina, frango, arroz, milho e frutas. Segundo Tamer Mansour, secretário-geral da Câmara Árabe, os governos desses países estão atuando diretamente como compradores, seja por meio de seus ministérios, seja por importadores recém-credenciados pelo Estado, para reforçar estoques de alimentos na pandemia de coronavírus. 

Tem pressa

Os pedidos foram tantos que a Câmara promoveu na quinta-feira reunião com representantes de 23 entidades setoriais e da Câmara de Comércio Exterior (Camex). A entidade vai enviar uma lista das demandas e fazer a intermediação entre exportadores e importadores. “Existe espaço para produtos brasileiros de valor agregado que antes eram fornecidos pela Europa”, disse Tamer Mansour. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.