carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Agricultura precisa planejar a longo prazo, diz governo

Ministro-chefe de Assuntos Estratégicos defende a promoção da industrialização rural no País

Fabíola Gomes, da Agência Estado,

15 de outubro de 2009 | 15h21

A agricultura brasileira precisa de um planejamento de longo prazo, seguindo o exemplo de outros setores da economia nacional, como o de educação, energia e transporte, cujo plano de desenvolvimento trabalha com um horizonte de 10 a 30 anos. A afirmação é ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Daniel Vargas, que participou do 1º Fórum Inovação: Agricultura e Alimentos para o Futuro Sustentável.

 

Veja também:

linkRelator do Orçamento prevê cortes para a agricultura em 2010

linkExportações do agronegócio caem 15,6% em setembro

 

"A agricultura ainda não tem um planejamento que organize o setor para as próximas décadas. A cadeia produtiva precisa se aliar ao governo e criar um plano que trabalhe com um horizonte de longo prazo", afirmou. Vargas calcula que o planejamento deveria contemplar investimentos essenciais para promover o desenvolvimento do setor nos próximos 20 anos. Para isso, governo e setor privado deveriam trabalhar a partir de três premissas: promover a industrialização rural; superar o conflito entre agricultura familiar e empresarial; e estimular a formação de uma forte classe média rural.

 

"A agricultura é vanguarda no desenvolvimento econômico e não a retaguarda. Vejo o exemplo de grandes centros industriais urbanos, como na Califórnia, que se organizaram em regime de concorrência cooperativa. A indústria nacional ainda não trabalha com este sistema, mas em partes de São Paulo e nos estados do Sul do País este é um modelo muito forte", destaca.

 

De acordo com o ministro, é a partir destas premissas que o governo deve adotar medidas que promovam o desenvolvimento sustentável do setor. Ele afirma que para cada hectare cultivado há de três a quatro hectares de pastagens degradadas ou áreas abandonadas. "Para avançar em áreas virgens, o produtor gasta R$ 600 por hectare, mas para recuperar uma área degradada os gastos variam de R$ 3 mil a R$ 4 mil. É preciso criar um benefício para aqueles que querem incorporar estas áreas sem uso econômico", sugere.

 

Outra medida essencial, na avaliação do ministro, é organização das obras logísticas que facilitem o escoamento da safra agrícola pelo norte do país. "A competitividade é minada pelo alto gasto com escoamento, que chega a representar 40% dos custos de produção em algumas regiões", observou, referindo-se à reclamação recorrente dos produtores rurais. Ele destacou a conclusão da BR-163, da Ferrovia Norte-Sul e da hidrovia Teles Pires-Tapajós. "O desafio é ligar estes modais às áreas de produção com estradas vicinais." Segundo ele, algumas das obras já estão em curso e têm orçamento garantido, porque estão incluídas no Programa de Aceleração de Crescimento (PAC).

Tudo o que sabemos sobre:
agriculturaplanejamentogoverno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.