Sergio Castro/Estadão
Sergio Castro/Estadão

Agropecuária cresce 13% em 2017 e tem melhor resultado da série histórica

Atividade foi o principal motor do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) no ano passado e as projeções do setor para este ano também são positivas

Daniela Amorim, Camila Turtelli e Nayara Figueiredo, O Estado de S.Paulo

01 Março 2018 | 10h59

A agropecuária registrou no ano passado um aumento de 13% em relação ao ano anterior - o melhor resultado da série histórica iniciada em 2006 -, e foi, por conta disso, o grande motor do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017. Foi responsável por 70% da elevação total de 1%, segundo os dados divulgados nesta quinta-feira pelo IBGE.  "No ano, 0,7 ponto porcentual do valor adicionado foi da agropecuária. Apesar do peso pequeno (dentro do cálculo geral da economia), o crescimento da agropecuária foi tão alto que a contribuição do setor foi grande", disse Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE. 

+ Após dois anos de queda, PIB sobe 1% em 2017

+ Temer diz que resultado do PIB representa esperança para o País

E as projeções do setor para este ano também são positivas. O bom desempenho projetado para a safra 2017/18 e a perspectiva de melhores preços para os grãos devem manter o resultado do PIB da agropecuária positivo em 2018, segundo a presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), a deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS). Para Tereza, a seca na Argentina deve sustentar as cotações, principalmente do milho, impulsionando o retorno do produtor brasileiro.

+ Moody's ainda não decidiu se vai rebaixar nota de crédito do Brasil, diz Meirelles

No quarto trimestre de 2017, o PIB da agropecuária ficou estável em comparação com o terceiro trimestre. Na comparação com o quarto trimestre de 2016, houve uma alta de 6,1%. "Acredito que o bom desempenho vai se repetir este ano. Ainda estamos no início da colheita, mas tudo indica que será tão boa quanto a do ano passado", disse ela ao Broadcast Agro.

Sobre o setor da pecuária, especificamente, Tereza Cristina acredita que o setor pode ainda sofrer os efeitos retardatários da Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal, em março de 2017. "No ano passado, houve um impacto muito forte no primeiro momento, mas logo em seguida houve uma ação coordenada. Agora, estamos sentindo alguns efeitos", disse ela, com referência aos obstáculos mais recentes impostos por importadores como Rússia e União Europeia. "O ministro (da Agricultura, Blairo Maggi) e as entidades do setor estão trabalhando para reverter isso", concluiu. 

+ ENTENDA: O que é o PIB e como ele é calculado

Projeções. A Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) informou hoje que espera uma elevação de 0,5% no Produto Interno Bruto (PIB) da Agropecuária em 2018, em relação ao ano passado, quando cresceu 13%. A projeção também leva em consideração o bom desempenho esperado para a safra de grãos, e possíveis recuperações em outros setores, como carnes, citros e cana.

"Em nossa leitura, um aumento de 0,5% seria muito bom, pois as bases comparativas entre 2016 e 2017 e do ano passado para 2018 são distintas. Desta forma, a perspectiva é que o agro se comporte de maneira semelhante ao verificado em 2017", informa o diretor-executivo da Abag, Luiz Cornacchioni ao Broadcast Agro. "Temos estimativas boas para a cana-de-açúcar, vindas (do maior consumo) do etanol, e para o suco de laranja, por causa do faturamento com exportação", acrescenta.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.