Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

AGU cobra mais R$ 506,5 milhões em multas a 46 empresas transportadoras

Valor se refere a multas de R$ 100 mil por hora determinadas em decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF, por obstrução de rodovias durante a paralisação de caminhoneiros

Jéssica Alves, O Estado de S.Paulo

06 Junho 2018 | 08h56

A Advocacia-Geral da União (AGU) apresentou nessa terça-feira, 05, ao Supremo Tribunal Federal (STF), uma nova relação de 46 transportadoras sujeitas a multas por obstrução de rodovias durante a paralisação de caminhoneiros. 

+ Caminhoneiros ameaçam nova greve se tabela de preços mínimos de frete for alterada

Na petição, a AGU cobra R$ 506,5 milhões das empresas. Com os R$ 339,5 milhões que já eram cobrados de outras 96 transportadoras, o valor total que deverá ser pago pelas companhias já chega aos R$ 846 milhões.  As infrações foram constatadas pela Polícia Rodoviária Federal.

As multas são referentes ao descumprimento da decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF. O ministro acolheu pedido de Medida Cautelar da Advocacia-Geral da União e autorizou o uso de força e a imposição de multa de R$ 100 mil por hora às entidades responsáveis pelos atos e de R$ 10 mil por dia para cada motorista.

+ Sob pressão de produtores rurais,governo vai mudar tabela de fretes

Moraes estabeleceu ainda um prazo de 15 dias para as empresas incluídas nas primeiras relações encaminhadas pela AGU para o STF pagarem voluntariamente R$ 208,5 milhões que são cobrados delas. Caso isso não ocorra, os bens das companhias poderão ser bloqueados.

+ Guardia nega que governo esteja discutindo subsídios para combustíveis

Em decisão, o ministro afirmou que o "abuso no exercício dos direitos constitucionais de reunião e greve acarretou um efeito desproporcional e intolerável sobre todo o restante da sociedade, que depende do pleno funcionamento das cadeias de distribuição de produtos e serviços para a manutenção dos aspectos mais essenciais e básicos da vida social".

Mais conteúdo sobre:
transporte de carga greve caminhoneiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.