finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Água do mar entra em plataforma e provoca inclinação

Uma plataforma de petróleo ancorada na Baía de Guanabara adernou no final da noite deste sábado e colocou em risco as instalações da Marinha na Ilha das Cobras e um submarino que estava ao lado. Os cem tripulantes a bordo tiveram de ser retirados às pressas, por medida de precaução.

SERGIO TORRES, Agencia Estado

29 de abril de 2012 | 14h47

Pertencente à empresa Transocean, que presta serviços de perfuração à indústria de óleo e gás em países produtores, a plataforma Artic 1 estava parada desde o primeiro trimestre no cais do Arsenal de Marinha, na Ilha das Cobras. Ela vinha sendo submetida a reparos e a serviços de manutenção.

O risco de a plataforma inclinar-se ainda mais levou os oficiais de plantão no 1º Distrito Naval (representação da Marinha no Estado do Rio), vizinho ao Arsenal de Marinha, a decidirem pela retirada do submarino, que poderia vir a ser atingido. As instalações do Arsenal estavam na rota da inclinação e foram esvaziadas, embora poucos funcionários estivessem no local, por causa do horário tardio e do feriado prolongado pelo Dia do Trabalho.

Em nota, a Capitania dos Portos do Rio de Janeiro informou que a inclinação atingiu 3 graus, mas já está controlada. De acordo com o informe, a Transocean comunicou que a inclinação resultou da entrada indevida de água do mar em um dos quatro pilares da plataforma.

"O fato não causou poluição hídrica e não causa risco à navegação. Não houve feridos. O embarque de água foi controlado e a plataforma está estabilizada. Uma equipe da Capitania dos Portos encontra-se no local acompanhando o retorno da Artic 1 à sua posição vertical", diz a nota da Marinha.

A suposta estabilização da plataforma foi conseguida depois que um guindaste e dois rebocadores prenderam cabos de aço à plataforma, na tentativa de evitar que o processo de inclinação se acentuasse.

A Marinha proibiu o acesso de jornalistas ao Arsenal de Marinha. Do alto do viaduto Perimetral, avistava-se a plataforma, com inclinação nítida para o lado direito. A Transocean não se manifestou sobre o problema. Na sede da empresa, em Macaé (município no litoral do Estado do Rio), ninguém atendeu aos telefonemas.

Boias de contenção foram espalhadas ao redor da plataforma, como medida de prevenção a vazamentos. Aparentemente, o óleo e os fluidos da plataforma não vazaram.

No Brasil, a Transocean atua em campos petrolíferos em alto-mar (offshore). A empresa foi a responsável pela perfuração do poço, operado pela companhia norte-americana Chevron, no Campo de Frade (Bacia de Campos, litoral do Estado do Rio), de onde vazou petróleo, em novembro do ano passado.

Tudo o que sabemos sobre:
petróleoplataforma

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.