AIE reduz estimativa de oferta do petróleo

A Agência Internacional de Energia (AIE) manteve sua previsão para a demanda global de petróleo para 2006 e 2007, mas, por causa dos problemas da British Petroleum no Alasca, reduziu sua estimativa da oferta. As informações constam em seu relatório mensal, divulgado nesta sexta-feira.A AIE avalia a demanda global em 84,8 milhões de barris diários (mbd) para este ano (1,4% a mais que em 2005) e 86,4 mbd em 2007 (1,9% acima de 2006). A expectativa de um crescimento maior nos países emergentes, como a China, foi compensada por uma revisão em baixa nos países industrializados.A agência reduziu ligeiramente (46 mil barris diários), para 49,6 mbd, a demanda da OCDE (grupo dos países desenvolvidos) em 2006. A projeção para 2007 é de 50 mbd.O relatório diz que é "cedo" por enquanto modificar suas previsões da demanda por causa do anúncio da polícia britânica, que na quinta desarticulou um complô para explodir aviões em vôo. Com isso, os preços do produto caíram cerca de US$ 2 por barril nos mercados.Em julho, a oferta mundial de petróleo aumentou em 615 mil barris diários e chegou a 85,5 mbd. A demanda era de 84,6 mbd.Fechamento de jazida O fechamento da jazida de Prudhoe Bay (400 mil barris diários), anunciado em agosto pela BP devido à corrosão de um oleoduto, levou a AIE a reduzir a sua estimativa da oferta de produtores que não são da Opep em 220 mil barris diários para este ano e em 30 mil para 2007. A média ficou em 51,1 mbd em 2006 e em 53 mbd em 2007.A oferta de petróleo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) caiu em julho 225 mil barris, ficando em 29,8 mb/d, devido às obras de manutenção na Venezuela e a baixas na Nigéria e no Iraque.Os estoques dos países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) aumentaram em 0,74 mbd no segundo trimestre e chegaram a 67 milhões de barris. É o bastante para cobrir 54 dias de demanda, um dia a mais que há um ano.Preços Em relação aos preços, a AIE lembrou que o Brent (leve, de referência na Europa) alcançou um recorde de US$ 78,69 no dia 8 de agosto, depois de a BP fechar Prudhoe Bay no Alasca. Problemas com oleodutos também reduziram a produção da Nigéria em 750 mil barris diários. Além disso, as preocupações geopolíticas no Oriente Médio têm contribuído para a alta dos preços.Em sua análise, a AIE diz que com a contínua deterioração da oferta poderia parecer surpreendente que os preços não estivessem mais altos. Mas ressalta que os problemas geopolíticos e de produção são menos determinantes para o mercado do que parecem.Apesar de o fechamento temporário de Prudhoe Bay representar uma perda significativa, há compensações potenciais por parte da Arábia Saudita, entre outros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.