Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

AIG traz seguro contra terrorismo ao Brasil

Para seguradora, grandes eventos fazem do Brasil um palco para ataques

LUIZ GUILHERME GERBELLI, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2013 | 02h10

O Brasil já integra o grupo de nações que podem ser palco de um ato de terrorismo. Pelo menos para a seguradora AIG, que começa a partir de hoje a comercializar um seguro que protege as empresas de ataques terroristas. É o primeiro produto do tipo no País.

"O Brasil em dois ou três anos pode se tornar palco de terrorismo. O País não tem grupos terroristas e é politicamente amigável, mas vai ganhar importância econômica e política no cenário internacional por hospedar grandes eventos", afirmou Frank Moraes, gerente de Property da AIG Brasil.

Além da Copa das Confederações já em andamento, o Brasil vai ser sede da Copa do Mundo no ano que vem e dos Jogos Olímpicos em 2016.

No caso de um ataque, o seguro protege as propriedades dos danos materiais. Em abril deste ano, no atentado da Maratona em Boston, nos Estados Unidos, a AIG cobriu os danos materiais dos imóveis que ficaram danificados por estarem próximos ao local da explosão.

O produto também protege as empresas de uma perda de lucro no caso de o imóvel ser afetado pela interdição de uma determinada área. "Também em Boston, o governo americano decidiu isolar completamente uma área e as empresas não puderam funcionar", afirmou Moraes.

A capacidade de cobertura do seguro é de R$ 200 milhões, mas, com recursos da AIG dos Estados Unidos, pode chegar a R$ 500 milhões. No caso de cobertura num valor maior, a empresa depende de uma resseguradora. Neste primeiro ano, a expectativa é de emissão de R$ 500 mil em prêmios.

Na lista de negociação para a aquisição do seguro, estão as empresas interessadas em administrar os estádios esportivos, as concessionárias de aeroportos e os hotéis.

Mesmo depois do encerramento dos grandes eventos, a companhia acredita que o mercado brasileiro deve seguir atrativo. "Deve existir uma queda (na procura desse produto), mas o Brasil vai continuar sendo atrativo em função da mudança de importância do País no cenário internacional", afirmou Moraes. A empresa também aposta em novos eventos de grande porte que serão sediados no Brasil. No radar da seguradora, por exemplo, está a realização da Expo 2020, que tem a cidade de São Paulo como uma das candidatas a sede.

Pelo mundo. A AIG já oferece esse tipo de cobertura em diversos países da Europa, nos Estados Unidos e no Canadá. Nesses locais, a contratação desse tipo de serviço já é comum desde o atentado de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos. Também já está oferecendo o seguro contra terrorismo em países da América Latina, como México e Colômbia, onde fez a cobertura de um ataque a uma aeroporto local e que causou um prejuízo de US$ 20 mil.

No Brasil, a Superintendência de Seguros Privados (Susep), autarquia do Ministério da Fazenda, autorizou a comercialização do produto há cerca de 20 dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.