Ainda é longo o caminho até a recuperação, afirma Geithner

Secretário do Tesouro americano pede urgência na aprovação da legislação de reforma financeira

Suzi Katzumata, da Agência Estado,

10 de setembro de 2009 | 15h59

Um ano depois do auge da crise financeira, a economia dos EUA não está mais à beira do desastre, afirmou o secretário do Tesouro Timothy Geithner, mas ainda há um "longo caminho a percorrer" antes da recuperação começar. Em discurso preparado para uma audiência do painel de supervisão do Congresso sobre os esforços do governo para socorrer o setor financeiro, Geithner buscou encorajar o otimismo com relação ao estado da economia, ao mesmo tempo que reforçava a necessidade de os formuladores da política continuarem seus esforços de limpeza. Esta última será necessária se a administração do presidente Barack Obama for bem sucedida em sua ambiciosa proposta para revisar a regulamentação dos mercados financeiros.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise

 

"Os clássicos erros da política econômica durante a crise são agir tarde com força insuficiente e, então, pisar no freio muito cedo. Não vamos repetir aqueles erros", disse Geithner em depoimento do painel de supervisão do Congresso.

 

Após um ano do caos nos mercados financeiros, Geithner disse que vê sinais significativos para otimismo: os bancos levantaram bilhões de dólares em capital e estão devolvendo o dinheiro da ajuda do governo; o crédito está mais disponível; e o consenso entre os analistas privados de que a economia pode estar crescendo.

 

"Estamos agora em uma posição para desenvolver nossa estratégia à medida que nos movemos da resposta à crise para a recuperação, do resgate da economia para o reparo e reconstrução das bases para o crescimento futuro", disse o secretário do Tesouro.

 

Mais importante é a proposta da administração para reformar a regulamentação dos mercados financeiros, incluindo a criação de um regulador do risco sistêmico e uma nova agência de proteção ao consumidor para supervisionar os produtos financeiros. Geithner e a Casa Branca insistem que isso é uma prioridade da administração federal, embora a atenção para essa questão tenha sido ofuscada pelo debate com relação à reforma do setor de saúde.

 

Geithner, sugeriu um senso de urgência, dizendo que a legislação de reforma financeira precisa ser aprovada este ano. "O imperativo crítico que enfrentamos como um país é garantir que as mesmas vulnerabilidades em nosso sistema que deram origem a esta recessão não poderão ser acionadas outra vez", disse.

 

O secretário também disse que o Tesouro planejar diminuir gradualmente muitos de seus mais agressivos programas de socorro financeiro, observando que espera que os bancos devolvam outros US$ 50 bilhões em ajuda recebida do governo ao longo dos próximos 12 a 18 meses. Contudo, ele acrescentou, que os formuladores da política precisam estar mais vigilantes em reforçar o nível atual da estabilidade. "Ainda temos um longo caminho a ir antes que a verdadeira recuperação se estabeleça", disse. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
criserecuperaçãoEUATimothy Geithner

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.