Ainda há risco de falta de energia, alerta a Duke

O Brasil ainda corre o risco de vir a enfrentar problemas com a oferta de energia, de acordo com Plautius Soares André Filho, gerente-geral de Estratégia de Comercialização da Duke Energy. Apesar de os reservatórios das hidrelétricas do Sudeste e Centro-Oeste terem atingido o nível de 66%, as usinas ainda não alcançaram os níveis registrados nesta mesma época do ano em 1997 e 1998, lembrou ele. "Ao mesmo tempo, se fala em sobra de energia neste ano e a postergação de investimentos em usinas térmicas", disse ele, em debate sobre comercialização de energia realizado hoje na Feira da Indústria Elétrica, Energia e Automação (FIEE Elétrica 2002), em São Paulo. "É um risco grande que pode afetar a oferta no futuro".André Filho questionou ainda outros pontos que podem interferir no funcionamento do setor no curto e médio prazos. Na opinião dele, é preciso estabelecer uma correta sinalização dos preços para se evitar o desestímulo aos investimentos. "Se não houver a orientação correta, os investimentos não irão sair", acrescentouA norte-americana Duke Energy, que comercializou US$ 35 bilhões em energia no ano passado, é controladora da Geração Paranapanema, com 8 usinas hidrelétricas na Bacia do Paranapanema.

Agencia Estado,

22 de março de 2002 | 19h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.