Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Ainda o preço da gasolina

Em muitos Estados não só a alíquota do ICMS sobre combustíveis é elevada, mas também a participação na arrecadação total

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

08 Março 2018 | 21h05

Coluna de ontem tratou das dificuldades enfrentadas pelo governo quando o objetivo é reduzir os preços dos combustíveis no Brasil, como sugeriu o ministro Henrique Meirelles. Isso se deve à alta incidência de impostos (mais de 40%). Ou seja, ou se reduz imposto ou fica inviável a redução dos preços ao consumidor.

Mas há outro problema técnico, sempre misturado com problema político. Em muitos Estados não só a alíquota do ICMS sobre combustíveis é elevada, como a parcela da arrecadação desse ICMS sobre combustíveis é alta em relação ao resto da arrecadação. (Na tabela, você tem isso em números.)

Essa arrumação provoca grave distorção. Quando os preços do petróleo são altos e esse custo é repassado para o preço dos combustíveis, como vem acontecendo, grande parte dos Estados obtém forte aumento da arrecadação. Ora, os políticos são mais chegados ao comportamento da cigarra e não conseguem olhar para o longo prazo, como a formiga. Sempre que são premiados com esse aumento de arrecadação, inventam despesas novas, como mais salários para os funcionários públicos. O diabo é que essas despesas quase sempre são fixas. Uma vez criadas, permanecem para sempre. Quando muda o jogo e os preços do petróleo caem e essa baixa é repassada aos preços dos combustíveis, os governadores se deparam com novo problema: não contam com receitas correspondentes para dar cobertura às novas despesas permanentes.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, explica que a ideia em gestação no Ministério é garantir estabilidade no valor de referência para efeito de cobrança de tributos sobre combustíveis, independentemente de sua oscilação no mercado, para que não haja solavancos na arrecadação dos Estados. É proposta ainda a ser pormenorizada, explicada e negociada com os governadores.

Para isso, há dois obstáculos, um técnico e outro, político. O obstáculo técnico é o nível do valor de referência a ser fixado. Suponhamos que, para a gasolina, seja de R$ 2,50 por litro. Se os preços do petróleo subirem, digamos 50% (para R$ 3,75 por litro de gasolina), e o preço de referência permanecer o mesmo, os governadores pretenderão aumentar a alíquota do ICMS para surfar a onda altista e obter maior arrecadação. Mas se acontecer o contrário e os preços de mercado caírem, supostamente 30% (no exemplo acima, para R$ 1,75 por litro), a proporção do imposto sobre o preço subirá e o consumidor se sentirá lesado. Ou seja, por mais bem-intencionada que seja, a proposta parece de difícil aplicação.

O principal obstáculo político é o de que os governadores estão em final de mandato e muito dificilmente estarão dispostos agora a mexer tão fundo na sua equação fiscal. Sem falar que a proposta do Ministério da Fazenda, como foi dito, vem para corrigir vícios de administração orçamentária, o que pressupõe que muitos governadores não conduzem responsavelmente as finanças de seu Estado.

Aceitarão eles esse pressuposto?

CONFIRA

» Alta da soja

Tanto o IBGE como a Conab, os dois organismos que fazem o acompanhamento estatístico das safras agrícolas, aumentaram suas previsões, a segunda do ano, sobre produção física de grãos. No entanto, a novidade mais relevante é a brutal seca que na Argentina deve produzir uma queda de 18% na produção de soja. Na última quarta-feira, em consequência da seca, o jornal portenho ‘El Cronista’ projeta alta dos preços internacionais da tonelada da soja, hoje de US$ 380, para cerca de US$ 400.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.