Ajuda à Bolívia custará US$ 270 mi ao consumidor brasileiro

Decisão de abrandar redução de importação do gás boliviano diminuiu economia anunciada anteriormente

Leonardo Goy, da Agência Estado,

12 de janeiro de 2009 | 08h48

A decisão do governo de atender aos pedidos da Bolívia e aumentar de 19 para cerca de 24 milhões de metros cúbicos a compra de gás do país andino deverá custar cerca de US$ 270 milhões ao Brasil, segundo cálculos preliminares.   Veja também: Brasil volta atrás e aumenta compra de gás da Bolívia   No início da tarde da última sexta-feira, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, anunciou que a compra de gás boliviano fora reduzida de 30 para 19 milhões de metros cúbicos por dia, o que geraria, para o Brasil, uma economia de US$ 600 milhões até abril. Horas depois, após receber uma comitiva boliviana liderada pelo ministro do Planejamento, Carlos Villegas, ele informou que a importação do combustível subiria para 24 milhões de metros cúbicos.   Com o recuo, a economia com a compra de gás deverá cair dos US$ 600 milhões para cerca de US$ 330 milhões. O governo negou que o recuo tenha tido motivação política. Mas a primeira decisão (de reduzir para 19 milhões de metros cúbicos) foi ratificada por um colegiado técnico, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE). A segunda, de elevar as compras, foi anunciada após uma reunião de caráter político e diplomático, da qual participaram o assessor da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, e o secretário-geral do Itamaraty, embaixador Samuel Pinheiro Guimarães.   "Não deu outra, mais uma vez o Brasil está ajudando a Bolívia, e com o nosso dinheiro", disse o consultor Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infra-Estrutura (CBIE). O ex-diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), David Zylbersztajn, também criticou a mudança repentina de postura do governo brasileiro. "É um vai e vem, que traz uma situação de total indefinição", disse.   Para Adriano Pires, a Bolívia pressionou o Brasil para evitar uma "perda dupla" em um dos setores mais importantes de sua economia. Isso porque, com a queda da cotação do petróleo, a próxima revisão contratual do preço do gás - que deve acontecer até abril - deve levar a uma redução das tarifas pagas pela Petrobras. Na sua estimativa, o preço deverá cair dos atuais US$ 8 a US$ 9 por milhões de BTU (unidade de medição do gás) para US$ 5 por milhão de BTU. "Eles devem ter pedido para dividir essa conta com o Brasil", disse Pires.

Tudo o que sabemos sobre:
GásBolíviaEnergia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.