Ajuda à Grécia será dada se for absolutamente necessária, diz Merkel

Segundo chanceler da Alemanha, auxílio só virá após acordo com termos rígidos e claros

Danielle Chaves, da Agência Estado,

26 de abril de 2010 | 10h46

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmou que que simpatiza com os cidadãos alemães que estão descontentes com a ideia de um socorro para um membro da zona do euro e disse que a ajuda só será dada se for absolutamente necessária e depois que a Grécia concordar com termos rígidos e claros. Merkel também falou que a saída da Grécia da zona do euro não é uma opção.

 

Merkel conversou por telefone com o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn no domingo, 25, e disse que ele a informou que as negociações do FMI com autoridades gregas sobre as condições de um pacote de ajuda irão até o início de maio. "Essas discussões estão em andamento", disse Merkel.

  

A Alemanha concordou em elaborar um plano por meio do qual contribuiria com 8,4 bilhões de euros para um pacote de ajuda total de 30 bilhões de euros dos países da zona do euro. O FMI forneceria ajuda adicional. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
GréciaajudadívidaMerkel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.