Ajuda do FMI à Grécia sem participação da zona do euro seria ruim, diz Trichet

Presidente do BCE disse que no passado muitos estados - não apenas a Grécia - mostraram 'flagrante negligência' no controle do déficit

Suzi Katzumata, da Agência Estado,

25 de março de 2010 | 15h50

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, afirmou em entrevista gravada para a tevê francesa Public Senat que seria muito ruim se um resgate da Grécia for feito pelo FMI, sem participação da zona do euro. Na entrevista, Trichet disse que no passado muitos estados - não apenas a Grécia - mostraram "flagrante negligência" no controle do déficit.

 

Não está claro quando a entrevista foi gravada. Mais cedo, os líderes da União Europeia deram indicações de que estariam caminhando para um acordo para socorrer a Grécia. O Conselho Europeu - formado pelos chefes de governo da União Europeia - está discutindo um pacote de suporte financeiro para a Grécia, que somaria 23 bilhões de euros, mas ainda não alcançou um acordo final, disse uma fonte próxima as negociações à Dow Jones.

 

Trichet disse que as medidas fiscais da Grécia para reduzir seu déficit orçamentário são convincentes e corajosas. Contudo, ele observou que é essencial para o crescimento econômico e a estabilidade cambial que os países da zona do euro observem rigorosamente o pacto de estabilidade fiscal da união monetária.

 

Reconhecendo que todos os países estão em uma situação orçamentária difícil em virtude dos excessos no passado, Trichet disse que a atual recuperação econômica será bastante modesta. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Banco CentralTrichetGrécia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.