Ajudada por Wall Street, Bovespa quebra série de 4 baixas

Um dado positivo sobre a economia dosEstados Unidos levou os investidores às compras, fazendo aBolsa de Valores de São Paulo fechar no azul depois de quatropregões em baixa. O movimento teve apoio das ações da AmBev eda Braskem. Com o fechamento atrasado devido a problemas técnicos dosistema eletrônico, o Ibovespa encerrou com ganho de 0,79 porcento, aos 67.319 pontos. O giro financeiro na bolsa totalizou5,6 bilhões de reais. O mote para a retomada do otimismo foi a divulgação de queas vendas no varejo norte-americano subiram em maio mais deduas vezes o valor esperado. O dado foi recebido como sinal deque a economia dos Estados Unidos pode escapar de uma recessão. Na Bolsa de Valores de Nova York, o índice Dow Jonesavançou 0,48 por cento. A valorização chegou a ser maior, mas perdeu força com areviravolta nas cotações do petróleo, que reacendeu temores deescalada inflacionária. Depois de ter chegado a cair 4 dólares,o barril da commodity fechou com leve alta. Segundo operadores, a proximidade do exercício de opções naBovespa, que acontece na próxima segunda-feira, foi umcomponente doméstico positivo, pois intensificou a decisão deinvestidores que apostam na alta dos papéis. Por fim, a forte alta de duas empresas ajudou a turbinar oíndice. As ações preferenciais da empresa de bebidas AmBevderam um salto de 8,8 por cento, a 115,50 reais, depois que aInBev anunciou uma oferta hostil para comprar a rivalAnheuser-Busch . Outro destaque do dia foram as ações preferenciais daBraskem, com uma disparada de 8,7 por cento, a 14,70 reais. Odiretor de abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa,afirmou nesta quinta-feira que a companhia decidiu rever ocálculo do preço da nafta vendida às indústrias petroquímicas,como a Braskem. A alta do Ibovespa só não foi maior porque as blue chips domercado doméstico reverteram para baixo no final do dia. As preferenciais da Petrobras caíram 1 por cento, a 44,94reais, e as preferenciais da Vale perderam 0,5 por cento, para47,35 reais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.