ANDRE COELHO / ESTADAO
ANDRE COELHO / ESTADAO

'Ajudaremos quem ficou para trás, mas não os vagabundos', diz Guedes

Em evento nesta terça-feira, o ministro da Economia defendeu a criação da carteira de trabalho verde e amarela, que, segundo ele, permitirá a geração de empregos

Fabrício de Castro e Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2019 | 16h01

BRASÍLIA - O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta terça-feira, 9, durante evento em Brasília, que o País está "condenando o jovem ao caminhado errado". "Desde quando faz mal trabalhar?", questionou, ao defender a proposta da carteira de trabalho verde e amarela. A iniciativa privilegia a negociação em detrimento de direitos trabalhistas e, segundo o ministro, vai permitir a criação de milhões de empregos no Brasil.

"Quando lançarmos o novo sistema com encargos baixos, a antiga Previdência vai começar a desonerar a folha e também vai gerar mais empregos", pontuou.

De acordo com Guedes, o melhor programa social para um país é o emprego, que cria autoestima. "Sempre seremos uma nação generosa, sempre ajudaremos quem ficou para atrás", afirmou o ministro. "Mas não ajudaremos os vagabundos, não podemos premiar corrupção e vagabundagem", acrescentou.

Pacto federativo

Ao abordar a proposta de criação de um novo pacto federativo, Guedes disse que a ideia é colocar "dinheiro na base, colocar 65%, 70% do dinheiro". "(Serão) 70% lá embaixo e 30% lá em cima, se muito", comentou o ministro.

Guedes também voltou a dizer que o governo vai adotar um programa de R$ 10 bilhões em socorro aos Estados. O ministrou contou que tem falado a alguns governadores recém-eleitos, de Estados em dificuldades: "Respira no canudinho que está chegando reforço". "O primeiro movimento é um plano de equilíbrio econômico para Estados, que é de curto prazo", disse.

Guedes participou nesta terça-feira da 12ª Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, conhecida como Marcha dos Prefeitos. Pela manhã, estiveram presentes ao evento o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.